(Vídeo) Brasil: Os “esquecidos” pela mídia

«Para a mídia colonizada pouco importa o sofrimento dos povos que sempre foram explorados e oprimidos pelo Império e que hoje lutam por sua libertação”

O Furacão Sandy causou enorme devastação na América Central, no Caribe e também nos Estados Unidos. Mas a mídia nativa, sempre tão colonizada, só deu atenção para a tragédia no território estadunidense. A TV Globo, com as suas longas matérias, até parecia uma sucursal de alguma poderosa emissora ianque. Novamente, em mais este caso dramático, a mídia brasileira demonstrou que não tem qualquer identidade com os povos latino-americanos. Ele serve ao império, sente as suas dores e reproduz as suas versões dos fatos.

Um balanço parcial indica que o furacão Sandy, que virou uma tempestade nos EUA, causou ao menos 41 mortes em Nova Iorque e deixou milhares de pessoas desabrigadas. Governo e corporações empresariais também já fazem cálculos sobre os prejuízos econômicos, que devem superar os 50 bilhões de dólares – mais de 101 bilhões de reais. Já na América Central e no Caribe, os danos são bem maiores, devido principalmente à frágil estrutura dos países da região – sempre saqueados e oprimidos pelo império do norte.

Segundo relato da Adital, o furacão deixou 54 mortos no Haiti, 11 em Cuba, dois nas Bahamas, dois na República Dominicana, um na Jamaica e um em Porto Rico. A situação mais dramática é a do Haiti. “O ciclone aprofundou a crise nesse país caribenho, que já contava com 400 mil pessoas sem habitação desde o devastador terremoto de janeiro de 2010. Agregou à lista mais 200 mil pessoas. Agora, o governo haitiano teme o aumento do número das vítimas de cólera; no último mês, foram registrados 86 novos casos”.

Na Jamaica, ele deixou dezenas de famílias sem teto e causou prejuízos estimados em 16,5 milhões de dólares, segundo informou a primeira-ministra do país, Portia Simpson Miller. Em Cuba, a tormenta matou 11 pessoas em Santiago de Cuba e nas províncias de Guantánamo. Cerca de 5 mil edifícios foram parcialmente destruídos e 30 mil cubanos ficaram sem teto. Na República Dominicana, mais de 18 mil pessoas tiveram que ser evacuadas e cerca de 3.500 casas foram destruídas.

A mídia colonizada simplesmente “esqueceu” destas vítimas. Como observa o jornalista João Paulo Charleaux, “enquanto o furacão Sandy matava 69 pessoas na América Central e no Caribe, pouco se via sobre ele nos jornais daqui. Bastou a ventania entrar nos radares americanos para entrar, também, na pauta da imprensa brasileira com força total. Agora, escoado o aguaceiro, resta, além das mortes, a ideia de que ainda falta ao jornalismo internacional brasileiro criar sua própria agenda, em vez de comprar a dos outros”.

Charleaux trabalhou durante oito anos na Cruz Vermelha Internacional e já cobriu catástrofes para vários veículos. Ele lembra que “nas redações, a piada mais comum é a de que um americano assustado equivale a uns 40 centro- americanos mortos ou uns 50 corpos africanos e por aí vai”. De fato, para a mídia colonizada pouco importa o sofrimento dos povos que sempre foram explorados e oprimidos pelo império e que hoje lutam por sua libertação.

A mídia servil chora pelo império!

Vídeo: Sandy Floods Already Devastated Haiti


NOTICIAS ANTICAPITALISTAS