Treze operários do metal fôrom julgados em Vigo

Nesses dias mais de 27.000 trabalhadoras e trabalhadores do sector metalúrgico saírom a rua a exigir melhoras nas suas condiçons laborais e a luitar por um convénio colectivo digno. Mas o patronato negava-se naquela altura como continua a negar-se na actualidade às reivindicaçons dum novo convénio que atendesse às graves carências que @s operários/as denunciavam.

Mais umha vez a repressom e as seus agentes policiais som o as na manga dum patronato que teme perder os seus privilégios. Quatro destes trabalhadores enfrentam-se a umha pena de prisom de mais de 3 anos e meio. Os demais operários nom correm melhor sorte, já que as penas chegam aos três anos.

A campanha de intoxicaçom mediática nom deixou de fornecer dalguns dados objectivos que dam umha imagem mental bastante nítida do que aconteceu: 100 agentes das forças repressivas armados com bolas de borracha, botes de gás lacrimógeno e cacetes deixárom ao seu passo mais de 30 feridos, quatro de eles em estado de gravidade, um operário com traumatismo cránio-encefálico, um outro atropelado e arrolhado por umha carrinha, e outros com fracturas em perna e braço.

A CIG convocou umha greve parcial em solidariedade com os acusados a partir das 9 h. Diversas marchas desde as zonas industriais de Vigo confluírom numha manifestaçom que rematou nas portas dos julgados, onde se realizou umha assembleia na que se valorizou a convocatória e a situaçom da negociaçom do convénio.

Como nom podia ser doutro jeito, a juventude independentista organizada em BRIGA mostramos a nossa mais incondicional solidariedade com estes companheiros do metal. Militantes da nossa organizaçom também tenhem sido objecto de montagens para-policiais e caça obreiros/as como o do processo judiciário de 1º de Maio de 2006, onde cinco filiados da CIG, entre eles os nossos companheiros, fôrom julgados e condenados a 6 meses de prisom e miles de euros de multa por participar na mobilizaçom. Também recordamos o acontecido este ano 2009 nos 27 dias de greve pola negociaçom do convénio e nom esquecemos que outra vez a repressom e a brutalidade policial tingírom as ruas de Vigo de impunidade durante essas jornadas de luita que hoje som mais necessárias do que nunca.

STOP repressom contra @s operários/as do metal!!!

NOTICIAS ANTICAPITALISTAS