Publicado en: 21 abril, 2019

Todo apoio á greve dos garis do Río de Janeiro

Por Varias Organizaciones, políticos y personas independientes

Os trabalhadores da COMLURB decidiram em assembleia iniciar greve a partir da 0h de segunda feira (22/04), exercendo seu legitimo direito de livre manifestação. Com esse texto manifestamos nosso apoio a esse movimento e apelamos para a negociação e o atendimento das reivindicações dos grevistas.

Os garis são importantes

Nas enchentes que atingiram o Rio, o mundo todo viu os garis arriscando a sua própria vida, trabalhando em condições adversas, muitas vezes sem os Equipamentos de Proteção Individual adequados. Faça chuva ou faça sol, os trabalhadores e trabalhadoras da COMLURB mantem a cidade limpa. Fazem a limpeza das escolas e ajudam a fazer as refeições de milhares de crianças nas escolas municipais. Mesmo sendo muito importantes para a cidade os garis não recebem a devida valorização.

A prefeitura de Crivela desrespeita a categoria

O prefeito Crivella desrespeita inúmeros direitos dessa categoria: – Não pagou para maioria da categoria o Acordo de Resultados depois de termos alcançados as metas estabelecidas. – Não cumpriu com a implementação integral do Plano de Carreira cuja a atualização havia sido prometida desde a greve de 2014. – Não garantiu o pagamento da insalubridade para os setores que trabalham em ambiente prejudicial à saúde. – Não garantiu a gratificação de coleta a todos os que trabalham na remoção do lixo domiciliar.

Arrocho para a COMLURB

A prefeitura anunciou o reajuste de todas as empresas públicas do município. A proposta da prefeitura é que a categoria receba 3,73%, enquanto outras vão receber de 6% a 12%. A reivindicação da categoria é de um reajuste de 10% no salário e no ticket. Isso representa um impacto de apenas 2% no orçamento da COMLURB. A prefeitura se nega a apresentar uma proposta justa enquanto cria novas secretarias e paga dívidas duvidosas da gestão anterior. Ao invés de melhorar o serviço público o prefeito cuida apenas de sua própria salvação, tentando abafar CPI’s e se livrar do impeachment.

Esses ataques são fruto de uma lógica nacional de retirada de direitos, arrocho salarial e privatizações que vem sendo apresenta por Bolsonaro e o seu Ministro Paulo Guedes.

A prefeitura e a COMLURB precisam negociar e atender as reivindicações

Durante mais de dois meses tentamos negociar. Apelando a inúmeras instâncias para que uma negociação efetiva fosse encaminhada com a categoria (Ministério Público do Trabalho, câmara de vereadores, etc) mas a prefeitura e a diretoria da COMLURB se mantiveram intransigentes. Por isso a categoria votou greve.

Apelamos a que o prefeito e a direção da COMLURB mudem de postura e negociem, atendendo as reivindicações da categoria. Convidamos toda a sociedade a abraçar e cercar de solidariedade essa justa greve.

Já assinam
(novas incorporações serão realizadas em algumas horas)

1- SINTUFF (Sindicato dos Trabalhadores da UFF)

2- SINTECT-RJ (Sindicato da Empresa de Correio e Telégrafos do Rio de Janeiro)

3- vereador Babá (PSOL-RJ)

4- Plínio de Arruda Sampaio Jr, professor UNICAMP

5- Nildo Ouriques, Professor UFCS

6- Alternativa Socialista Nova Práxis

7- Sindicato dos Químicos de SJC

8- vereador Renato Cinco

9- deputado Flávio Serafini

10- Subverta

11- deputada Federal Taliria Petrone

12- Robério Paulino

13- Salomão Gurgel

14- Modesto Neto

15- deputado federal David Miranda

16- vereador Paulo Pinheiro

17- juventude Vamos à luta

18- deputado Eliomar Coelho

19- deputado Federal Glauber Braga

20- vereador Tarcisio Mota

21- Sindpetro RJ

22- FNP (Federação Nacional dos Petroleiros)

23- Intersindical – Central da Classe Trabalhadora

24- WebRadioCensuraLivre

25- deputada federal Fernanda Melchionna

26- deputada federal Sâmia Bonfim

27- Executiva Estadual do Psol Rj

28- Rosi Messias, Diretório Nacional do PSOL

29- Combate – Classista e pela Base

30- CSP- Conlutas

31- PSTU

32- Fundação Lauro Campos e Marielle Franco

33- vereador Dr. Marcos Paulo

34- Coletivo Casa Comum – Campos Dos Goytacazes

35- Comissão Pastoral da Terra

36- Noêmia Magalhães- atingida pelo Porto do Açu em São João da Barra, Campos dos Goytacazes.

37- Liliana Maiques (militante feminista)

38- Marco Antonio Perruso (professor da UFRRJ)

39- PCB

40- Unidade Classista (Corrente Sindical)

41- Comuna

42- João Machado. Economista, professor PUC-SP

43- Francisvaldo Mendes, presidente da Fundação Lauro Campos e Marielle Franco

44- CTB – Rio de Janeiro

45- Resistência Popular Estudantil RJ

46- SINTSEP-PA

47- Vera Jacob, professora da UFPA

48- Deise Mancebo, professora da UERJ

49- Janete Luzia, professora da UFRJ

50- Jose de Souza, professor da UFRRJ

51- Luis Mauro Magalhaes – Presidente da Associação de Docentes da UFRRJ

52- Bancada de vereadores do PSOL Carioca

53- Vereador Brizola Neto

54- Executiva Nacional do PSOL

55- Deputada Renata Souza

56- CA de Administração Pública da UFF VR

57- DA Cesar Lattes da UFF VR

58- MTST

59- Frente Povo Sem Medo

60- Monica Francisco

61- LSR – Liberdade Socialismo e Revolução

62- Júlia Borges – Mestre em Políticas Sociais – CST PSOL.

63- Olivan Reina Manhães –  Diretor  da Regional Sec. de Raça e Etnia do Sindsprev RJ.

64- Carlos Eduardo de Rezende Professor Titular UENF

65- Marcos Antonio Pedlowski Professor Associado UENF e ADUENF

66- Cássio Peixoto – Dir. Mucufo Organização Literária- Membro do Conselho de Cultura de Campos Dos Goytacazes.

67- Léo Zanzi – Ativista de lutas sociais, Movimento Negro Campos dos Goytacazes.

68- Vanderson Gama- Associação de Servidores Municipais de Campos Dos Goytacazes.

69- CST (Corrente Socialista dos Trabalhadores – PSOL)

70- Heitor Fernandes – Dirigente da Federação Nacional dos Trabalhadores dos Correios e da CSP-CONLUTAS.

COLABORA CON KAOS