Brasil. São Paulo: Suplicy manda recado a Marta: ‘Ouça seus eleitores’ [Áudio]

Publicidad

 «Certamente, essas manifestações que ocorrem em todo o Brasil hão de sensibilizar os senadores» disse Suplicy

 

São Paulo

O ex-senador Eduardo Suplicy (PT-SP) mandou um recado à sua ex-mulher, a senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), sugerindo que ela ouça os seus eleitores – e que se o fizer, vai votar contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff. A declaração de Suplicy, que é candidato a vereador, foi feita durante manifestação realizada na zona oeste de São Paulo contra o governo interino de Michel Temer.

«Por exemplo, se a senadora Marta Suplicy perguntasse a todos os eleitores que ela obteve, em 2010, quando fez campanha ao meu lado, ao lado da presidenta Dilma e do presidente Lula, acredito que diriam ‘vote não pelo impeachment'», disse o ex-senador, em entrevista à Rádio Brasil Atual.

Suplicy disse que, se fosse senador, votaria contra o impeachment e defendeu a presidenta Dilma, alegando que ela não cometeu crime de responsabilidade, critério que deveria fundamentar o pedido de afastamento, mas que vem sendo desconsiderado.

«Eu, quando senador, sempre procurei saber qual era a vontade popular. Certamente, essas manifestações que hoje ocorrem em todo o Brasil hão de sensibilizar os senadores», disse o ex-senador.

Após 33 anos de militância no PT, a senadora e ex-prefeita de São Paulo oficializou sua saída do partido em 28 de abril de 2015, com uma carta na qual afirmava que o partido é reincidente em casos de desvios éticos. O texto foi enviado às direções municipal, estadual e nacional da legenda.

A decisão de deixar o PT encerrou um processo iniciado na campanha eleitoral de 2014, quando Marta, que esperava ser indicada candidata ao governo de São Paulo, assistiu a escolha do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha para o pleito. Em 2012, ela já havia se frustrado com a escolha de Fernando Haddad para a disputa da prefeitura paulistana.

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que preside o processo de impeachment no Senado, disse que o julgamento final da presidenta Dilma Rousseff deverá ocorrer a partir do próximo dia 29.

Ouça:

También podría gustarte

Los comentarios están cerrados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More