São Paulo: Ciro Gomes no II Salão do Livro Político

Publicidad

“Michel Temer é um sem voto, era o último deputado votado no Estado de São Paulo. Um pilantra desde sempre, enrolado com corrupção no porto de Santos, enrolado em todo o tipo de corrupção.”

Essa é uma das definições do presidente interino da República para Ciro Gomes, ex-ministro da Fazenda (Itamar Franco), da Integração Nacional (primeiro governo Lula) e ex-governador do Ceará, que participou da mesa “O impeachment de 1992 e o golpe de 2016”, debate que encerrou o segundo dia do II Salão do Livro Político, em São Paulo.

O pedetista (especulado como pré-candidato à presidência da República em 2018), ao lado da presidente da UNE Carina Vitral, do economista Marcio Pochmann e do jurista Alysson Leandro Mascaro, recebeu o desafio de analisar e comparar os dois processos de impedimento na Nova República.

“O Collor conseguiu a proeza de fazer o consenso na sociedade contra ele, um consenso que alcançou a plutocracia brasileira. Tudo começou com uma entrevista do irmão dele, denunciando o esquema de centralização da corrupção. E tudo foi provado. Conseguimos fazer um link que indicou a sua culpabilidade individual. Mapeamos o dinheiro da corrupção e chegamos até a compra do Fiat Elba, estabelecendo o nexo doloso.”

Ciro Gomes destacou que o consenso não se deu contra a presidenta Dilma Rousseff, mas que uma ampla maioria foi se construindo ante as contradições do “campo progressista”. “Se a gente quer merecer de novo o respeito do conjunto da sociedade, precisamos entender porque nós, autorreferidos intérpretes do interesse popular, estamos sendo escorraçados do poder.

Críticas

Para o ex-ministro da Integração Nacional de Lula, Dilma trocou a política pela marquetagem, e jamais poderia ter feito sua campanha eleitoral de 2014 mentindo para o conjunto da sociedade.

“Tem coisas que são trivialmente inteligíveis pelo povo. Em São Paulo, 32 dias após a posse, houve um ‘tarifaço’ de 72% na energia elétrica. O mandato começa a ruir quando você o constrói em cima de uma coluna mentirosa.”

Ciro também não poupou o “bom amigo e companheiro” Lula, a quem responsabilizou pelas alianças petistas a partir do segundo mandato, do que chamou de a “escalada do golpe”.

“Eu não estava feliz com esse tipo de concessão, por isso não quis seguir como ministro. Colocar o Michel Temer e o Eduardo Cunha na linha de sucessão do país em nome de medo de CPI, de tempo de televisão, é um crime de lesa pátria.”

O futuro do golpe

Como muitos intelectuais vêm lembrando nos debates do II Salão do Livro Político, Ciro enfatizou que a regra no Brasil não é a democracia, mas sim os golpes, o autoritarismo, destacando o fato de que somente três presidentes da República terminaram o mandato desde o pós-guerra: Juscelino Kubitschek, Fernando Henrique Cardoso e Luís Inácio Lula da Silva.

“O golpe não foi feito para o Michel Temer. O golpe foi feito para produzir efeitos estratégicos, como gerar excedentes fiscais para honrar o serviço da dívida pública, que está na iminência de uma crise bancária. A razão central é essa.”

O fato de nenhum chefe de Estado ter feito comunicação com o presidente interino e a repercussão negativa da opinião pública internacional também foram ressaltadas como positivas para a manutenção da luta pelo mandato de Dilma dentro da institucionalidade.

“Eu penso que é possível reverter o quadro no Senado. Não é tarefa fácil porque, agora, o suborno e a esculhambação [vão acontecer]. Eu alimento essa esperança e luto por ela. Estou disposto a fazer qualquer sacrifício para ajudar a presidenta Dilma. Se a gente voltar para lá [presidência da República] e resolver a nossa relação com povo, teremos que fazer um mea-culpa e entender que o nosso lado não pode fazer esse tipo de coisa.”

Em debate no II Salão do Livro Político, o ex-governador do Ceará comparou os dois processos de impedimento na Nova República, destacando peculiaridades no golpe de 2016: “Foi feito para honrar o serviço da dívida pública, que está na iminência de uma crise bancária”

Exclusivo para o blog O Cafezinho

Fotoarte: “Ciro no Salão”

Vídeo: Mino Carta «O que fará Dilma caso volte?»

También podría gustarte

Los comentarios están cerrados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More