São Paulo: Alckmin, Doria e o racha do PSDB

Publicidad

 

Para uma plateia composta pela fina flor da elite nativa – Gustavo Junqueira, presidente da Sociedade Rural Brasileira, Rubens Ometto, da Cosan, Lírio Parisotto, da Usiminas, e Roberto Klabin, entre outros ricaços –, ele fez altos elogios ao trambiqueiro, que também é apresentador de um programa tedioso na Band. Afirmou que João Doria, o Júnior, tem “juventude, saúde e disposição” para “trabalhar por São Paulo”.

A declaração de amor, porém, gerou ciumeira e traiçoeiras bicadas no ninho tucano, segundo reportagem da Folha deste domingo (20).

“A sinalização de Alckmin causou imediata reação no PSDB e no Palácio dos Bandeirantes. ‘Foi um verdadeiro terremoto’, definiu um dos homens próximos ao governador. O partido e a Casa Civil sugeriram, imediatamente, que ele ‘restabelecesse’ o seu equilíbrio em relação à disputa por meio de uma carta. Pouco depois de aprovar a ideia, Alckmin recuou e preferiu ficar com a declaração de apoio ao empresário. Tucanos históricos passaram, então, a discutir uma reação ao gesto do chefe do Executivo paulista. Em conversas reservadas, caciques como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, os senadores José Serra e Aloysio Nunes Ferreira e o ex-governador Alberto Goldman se dispuseram a ‘fazer o que for preciso’ para demover Alckmin de sua posição”, relata o jornal tucano.

As bicadas no ninho são sangrentas, apesar da mídia chapa-branca difundir a imagem de que o PSDB está mais unido do que nunca. Na disputa pela prefeitura paulistana há pelo menos cinco postulantes se engalfinhando. O vereador Andrea Matarazzo – o politico das «abotoaduras de ouro», que tem a preferência dos tucanos de alta plumagem citados na matéria da Folha –, os deputados federais Bruno Covas e Ricardo Tripoli, o eterno descartado José Anibal, presidente do Instituto Teotônio Vilela, e o empresário-trambiqueiro João Doria Jr. Este último, um notório fascista – que comandou o fracassado movimento «Cansei» e hoje estimula as marchas pelo impeachment de Dilma –, acaba de se filiar ao PSDB. É um oportunista sem trajetória partidária, o que desperta a inveja dos tucanos velhacos.

«Temos vários candidatos no partido com tradição política. O único candidato que não tem tradição, que não é compatível com a história política do partido e com a história política de São Paulo é João Doria», disse um dirigente nacional do PSDB, que pediu para não ser identificado, à Folha. A opção de Geraldo Alckmin de «descer do muro» foi calculada. «Embora evitasse manifestações públicas, ele vinha trabalhando nos bastidores para frear a pré-candidatura de Andrea Matarazzo, que considera muito ligado ao grupo do senador José Serra». Ao anunciar o seu apoio ao golpista «novato» – que é rejeitada pela maioria dos tucanos bicudos –, o governador paulista sinaliza que sua situação na sigla não é nada tranquila. Há até boatos de que ele poderá deixar em breve a legenda. A conferir!

Em tempo: Outra situação bastante complicada é a do PSB, o partido que jogou no lixo a história de Miguel Arraes e de tantos outros líderes de esquerda para se tornar uma filial do PSDB. Um dia após Geraldo Alckmin anunciar o seu apoio ao golpista João Doria, o vice-governador Márcio França, que manda na sigla em São Paulo, correu para pedir a sua benção. «Nós que somos partidos aliados temos uma estratégia: se o candidato do PSDB for alguém sintonizado com o governador, estaremos juntos na disputa. Abrimos mão de uma candidatura importante para acompanhar os passos do governador», afirmou o servil e pragmático dirigente «socialista».

A situação da legenda não é complicada somente em São Paulo. Segundo o site da revista Época, a executiva nacional do partido cancelou uma reunião na semana passada devido aos graves problemas internos. Vários motivos «tumultuam a situação da legenda. Um deles foi a Operação Catilinárias, deflagrada pela Polícia Federal na terça-feira (15), ter feito buscas e apreensões no escritório do senador Fernando Bezerra (PE) em Petrolina, seu reduto eleitoral, e no endereço do ex-sócio do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, morto no ano passado. Outro motivo foi a destituição do senador Romário da presidência do diretório do PSB no Rio de Janeiro. O clima na legenda não está bom»

 

También podría gustarte

Los comentarios están cerrados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More