NÓS-Unidade Popular lembrou Henriqueta Outeiro junto à vizinhança de Miranda

convocado por NÓS-UP na freguesia onde nasceu e morreu a mestra galega que se definia como “aprendiz de bolchevique”. Representantes de NÓS-Unidade Popular combinárom a poesia, a música e o discurso político para trazer à memória o exemplo de toda umha vida dedicada à revoluçom e à luita contra o fascismo como integrante do Exército Guerrilheiro da Galiza.

Porém, as maiores doses de emoçom fôrom transmitidas polas vizinhas e vizinhos que conhecêrom a homenageada. Um deles tomou a palavra para, emocionado, defini-la como umha “grande mulher”, entregada a uns ideias de justiça e praticante dessas mesmas ideias nom só por meio das armas na sua juventude e até ser detida e cumprir 14 anos de cárcere, como também nos seus últimos anos, dando aulas às crianças da sua aldeia na escola rural da zona.

Cravos vermelhos sobre o túmulo, a Internacional e o Hino Nacional da Galiza rompêrom o silêncio do cemitério de Miranda, numha jornada de afirmaçom nacional e de compromisso contra a reacçom e o fascismo.

Umha vez concluída a homenagem, boa parte das pessoas participantes jantárom num restaurante de Castro Verde, antes de regressar aos diferentes pontos do País de onde chegárom.

Toda a informaçom sobre este Dia da Galiza Combatente está disponível no site a organizaçom convocante: NÓS-Unidade Popular.

Além do vídeo-resumo de cima, a seguir, apresentamos umha galeria de imagens da homenagem de ontem em Castro Verde.

NOTICIAS ANTICAPITALISTAS