Foro Galego de Imigraçom denuncia actuaçom policial espanhola contra populaçom imigrante

…dirigido contra imigrantes nos pontos de acesso ao Estado espanhol, nomeadaemnte no aeroporto de Madrid.

Concretamente, a denúncia feita pública polo Foro refere-se à actuaçom policial sofrida por umha família formada por um galego, emigrante no Uruguai muitos anos, hoje residente em Valência (Païos Cataláns) e a mulher, de origem uruguaia e com nacionalidade espanhola e e seis anos de residência no Estado espanhol. O&nbsp caso aconteceu no passado dia 16 de Março:

“Este casal leva em Espanha, seis anos a trabalhar, Os dous tenhem nacionalidade espanhola (Ricardo desde há 30 anos), toda a família primária (pai, mae, tios, irmaos) dele é galega. Falamos de umha família galega que em tempo de penúrias emigrou a Uruguai para ter umha vida melhor, e conseguiu. Paradoxos da vida, ano 2010, vem a mae de Zully (mulher de Ricardo) vem a ver a sua família, aterra no T1 de Barajas (Madrid) rumo ao aeroporto de Valência (o seu destino). No gabinete de Imigraçom de Torrent, Valência, onde tramitaram a Carta Convite, dixeram-lhes que nom fazia falta que viajasse com 1800 euros (90 dias), porque a carta especificava que eles se comprometiam a cobrir as despesas de alojamento e manutençom, da mulher.&nbsp

Mas ao chegar ao aeroporto de Barajas, Terminal 1 (16/03 às 10:00 da manhá), dim à senhora que o dinheiro que traz nom é suficiente (600 euros), e sem dar mais explicaçons, sem sequer lerem sua Carta Convite, é detida. Entretanto…&nbsp Zully e Ricardo estavam no Aeroporto de Valencia à espera da Elida. Até as 14:00 horas, Zully e Ricardo nom sabem nada de Elida (mãe de Zully), a essa hora Elida lume a sua filha e lhe comunica que a têm detida porque “nom cumpre requisitos”, e nom pode lhe dizer quais porque nom lho explicárom, somente a afastam do grupo de gente, fam-lhe assinar um monte de papéis que nom lhe deixam ler. Para adiantar tempo… Ricardo viaja a Madrid (desde Valência), com a ideia de poder falar pessoalmente com o advogado de oficio que atendeu a Elida e que lhe expliquem bem as razons polas quais Elida nom pode entrar a Espanha. Zully e Ricardo nom voltam a saber nada de Elida até as 20:30 horas quando Elida liga a Zully para lhe dizer que a mandam de volta para o Uruguai, ao lhe negarem a entrada a Espanha. Ricardo vai caminho a Barajas… Comunicam-se imediatamente com o Consulado Uruguaio em Madrid: explicam a situaçom. Ricardo: em Madrid, desde as 21 horas do 16 de Março. E em Barajas, nom dam nengumha informaçom, fecham-lhe as portas na cara.&nbsp

Dia 17/03 às 09:00 da manhá, a Cônsul de Madrid fala com Zully, corrobora que sua mae vai caminho do Uruguai, e agrega que as desculpas que lhe deu Migraçons do T 1 de Barajas, nom som nada claras “NOM REUNE OS REQUISITOS” (sem especificar), portanto elevará um escrito no qual vai solicitar que Anulem a Ordem Devoluçom levada a cabo polas Autoridades Espanholas. Dia 17/03 às 10:30 (hora de Espanha), Elida telefona à sua filha para lhe dizer que está em São Paulo (Brasil), e viaja custodiada por um Polícia… Como se de umha delinquente se tratasse.”

NOTICIAS ANTICAPITALISTAS