Euskal Herria no 25.º aniversário da morte do dirigente abertzale Santi Brouard

Por ocasião do 25.º aniversário da morte do dirigente abertzale Santi Brouard num atentado dos GAL, uma iniciativa popular pretende recordar a sua trajetória política, profissional e humana realizando vários atos de homenagem, entre os quais se destaca a colocação de uma escultura em Lekeitio (Bizkaia).
A idéia da campanha apresentada na terça-feira é a de juntar todo o tipo de organizações e pessoas «sem olhar a siglas» em torno da figura de Brouard.


Um grupo de lekeitiarras está a preparar a organização de vários atos de homenagem à figura de Santi Brouard. No dia 20 de Novembro passam 25 anos sobre o dia em que o dirigente da esquerda abertzale foi abatido a tiro no seu consultório médico por mercenários a soldo dos GAL, e os promotores da iniciativa pretendem reconhecer a sua trajetória política, profissional e humana.

Uma das idéias que contemplam como parte destes atos evocativos é a colocação de uma escultura em Lekeitio, a sua terra natal, à qual Brouard estava bastante ligado.
A obra foi realizada por Ibon Basañez, que disse que a idéia é colocar a escultura «na linha que separa Lekeitio do mar», e que os materiais utilizados para dar forma à obra são «peças com cores que pertencem à arquitetura da zona ribeirinha e do porto». Segundo indicaram, serão postas à venda rifas de 20 euros para financiar os custos.

O lema escolhido para a campanha é «Euskal Herria osagai». Edurne Brouard, filha do histórico dirigente abertzale, comentou que estas palavras servem para resumir a «trajetória, o pensamento e a forma de ser» do seu pai. O slogan procura unir o compromisso de Brouard com Euskal Herria, o seu trabalho como médico e o seu lado mais humano.
Edurne Brouard disse estar muito agradecida por esta iniciativa, já que parte dos «habitantes de Lekeitio, que era uma parte fundamental da sua vida».«Um homem extraordinário»Brouard quis destacar que se trata de uma iniciativa «aberta e sem olhar a siglas», o que, em seu entender, é algo de «especial», pois representará uma homenagem «ampla e participativa». Ao mesmo tempo, referiu que a organização destes atos não implica que não se vá realizar a homenagem que a esquerda abertzale lhe presta todos os anos, e não deixou de recordar que cinco anos depois da morte do seu pai, também a 20 de Novembro, Josu Muguruza faleceu em Madrid, vítima de outro atentado.

Entre as pessoas que promoveram a iniciativa encontram-se vários amigos de Santi Brouard, que participaram na terça-feira na conferência de imprensa que decorreu em Bilbao e na qual fizeram uso da palavra para dizer como recordam o dirigente abertzale.

Joxe Eskuola afirmou que era «um grande homem, muito bom como pessoa e como médico». Por seu lado, Ander Garamendi disse que o conheceu desde jovem e que foi um «homem extraordinário, com as idéias muito claras». Garamendi acrescentou que «sempre se posicionou a favor dos mais fracos, dos jovens… Era médico e gostava de viver de maneira pacífica, mas enfrentava o que fosse preciso».

Durante estas intervenções, abordou-se de forma intensa a figura de Santi Brouard, que, nas palavras daqueles que o conheceram, «representa a figura de um lekeitiarra que amava a sua terra e cuja vida de compromisso com Euskal Herria o levou a tornar-se numa referência política». Como dados biográficos, lembraram que foi dirigente da esquerda abertzale, presidente do partido HASI, membro da Mesa Nacional do HB, vice-presidente do Município de Bilbao, assim como deputado na Câmara de Gasteiz e membro das Juntas Gerais da Bizkaia.

Chegar aos jovensA idéia do grupo responsável pela campanha é que nas homenagens e atos que se venham a organizar participem todas as organizações, associações e pessoas que encarem Santi Brouard como uma «referência no campo das idéias abertzales e que, como tal, queiram prestar-lhe uma homenagem, sem fazer qualquer distinção».

Patxi Enziondo, um dos membros do grupo de o­nde partiu a iniciativa, realçou que o histórico militante abertzale era uma «pessoa próxima do povo» e aludiu ao seu trabalho como médico pediatra. Realçou o fato de, com esta iniciativa, pretenderem que a cidadania basca conheça toda a sua vida, mas que a sua intenção é sobretudo chegar às gerações mais jovens.
Enziondo afirmou que «a situação política e social» em Euskal Herria continua por resolver, pelo que recordar pessoas como Brouard é importante para encontrar soluções para o conflito que se vive no país.

No final da conferência, anunciaram que em Setembro vão dar a conhecer mais atos de homenagem relacionados com o 25.º aniversário da morte de Brouard. Salientaram que se destinam, sobretudo às crianças, a quem o homenageado se dedicou especialmente, enquanto pediatra, mas não quiseram adiantar mais nenhum dado.


NOTICIAS ANTICAPITALISTAS