Cuba: Embargo criminoso já rendeu mais de US$ 2 bilhões aos EE.UU.

 

Embargo a Cuba já rendeu mais de US$ 2 bilhões à administração Obama

Théa Rodrigues

No dia 28 de outubro, a Assembleia Geral da ONU voltou a reivindicar a suspensão do embargo dos Estados Unidos contra Cuba, com a aprovação de uma resolução que recebeu o apoio de 188 dos 193 membros das Nações Unidas. É a 23ª vez consecutiva, desde 1992, em que o órgão se manifesta a favor do fim do bloqueio. O Portal Vermelho entrevistou Ivette Martínez Leyva, cônsul de Cuba em São Paulo, que falou sobre a necessidade de acabar com essa política

ENTREVISTA

Em que medida a posição da Assembleia Geral da ONU pode contribuir para pôr fim ao bloqueio?O voto quase unânime na ONU dá a Cuba um apoio categórico e demonstra com nitidez aos Estados Unidos que ele está sozinho na implementação desta política. A realidade demonstrou que o governo norte-americano tem sido omisso em relação ao respaldo internacional a Cuba em sua denúncia contra esta política genocida. A administração do presidente Obama, por exemplo, quis passar uma imagem de flexibilização em relação a Cuba, mas as cifras demonstram que as restrições são iguais ou superiores àquelas impostas por seus antecessores.Não só os membros da Assembleia Geral, mas a opinião pública norte-americana também demonstrou seu rechaço a política de bloqueio, inclusive o jornal New York Times se pronunciou contra a falida política anticubana. 

O bloqueio segue tendo impacto na vida dos cubanos. Quais são os mais prejudiciais?Entre os exemplos mais concretos deste impacto podemos destacar a questão da saúde. As crianças cubanas que sofrem de câncer de retina não podem ser beneficiadas pelo tratamento ocular, porque as placas de iodo radioativo necessárias para este tratamento são produzidas exclusivamente pela empresa estadunidense 3M.Na área artística se estima que o efeito econômico, no período de um ano, supera os 22 milhões de dólares. Sua aplicação extraterritorial impede também a adequada promoção, difusão e comercialização do talento artístico cubano.No setor agrícola as perdas ocasionadas no período de maio de 2013 até maio de 2014 superam os 307 milhões de dólares. Entre os principais prejuízos estão o remanejamento de mercados para a importação dos insumos para a indústria alimentícia, o que provoca um encarecimento de custos e gastos adicionais por frete marítimo, assim como a proibição da utilização do dólar comercial nas transações.Existem muitos outros danos que poderia citar. 

Alguém lucra com o bloqueio a Cuba?Segundo o informe de Cuba sobre o bloqueio, de 2009 até 2014, a administração de Obama multou 36 entidades norte-americanas e estrangeiras em mais de 2 bilhões de dólares, por manter vínculos com Cuba.Como denunciamos em todos os cenários internacionais possíveis, o bloqueio, além de ilegal, é moralmente insustentável, sem antecedentes de um sistema de sanções unilaterais similar por um período tão prolongado.

A União Europeia revê suas posições e melhora as relações com Cuba. Os países da Celac condenaram, de forma unânime, o bloqueio. O secretário-geral da OEA esteve na ilha pela primeira vez desde a suspensão do país do organismo. Essas ações demonstram uma maior aproximação mundial em relação a Cuba? Isso significa o isolamento dos EUA?Exatamente, a União Europeia e a OEA revisaram sua política e suas posições sobre Cuba, encaminhadas a uma melhoria e uma relação de cooperação. O governo dos Estados Unidos, pelo contrário, leva mais de cinco décadas isolando o país das relações econômicas, políticas, sociais e culturais com outros países. Contudo, o fracasso desta política se evidencia cada vez mais, pois Cuba mantém relações diplomáticas com 184 dos 192 membros da ONU.

Entrevista original publicada no Portal Vermelho.

NOTICIAS ANTICAPITALISTAS