Conflito de Masssó: o BNG contra o povo, o povo contra o BNG

9

Foi essa a resposta à recente sentença que abre às portas ao projecto especulativo em Massó, favorecida pola posiçom entreguista dos três partidos frente aos interesses das construtoras e do empresariado ligado ao turismo de elite. Só o grupo municipal da ACE continua a manter umha posiçom de compromisso com os interesses populares.

O governo tripartido BNG-PSOE-ACE ficou no ar a seguir ao pleno municipal de ontem, quando Clara Millán, a presidenta da Cámara polo BNG, anunciou “novidades” na composiçom do governo local, o que pode significar a exclusom dos edis da ACE da coligaçom de governo.

A continuada mobilizaçom de um importante sector social e o sentir maioritário contra o projecto especulativo previsto para Massó foi contestado por umha sentença judicial que rejeitou a reclamaçom da Confraria de Pescadores e deu via livre à construçom do porto desportivo. Se até agora foi necessário fazer frente à repressom da Guarda Civil, doravante a violência institucional pode aumentar graças ao apoio judicial.

Especial responsabilidade corresponde no conflito corresponde a Clara Millán e ao BNG, que, levado ao poder graças à sua teórica oposiçom ao projecto, vem jogando à ambigüidade em favor das construtoras e da especulaçom, ao evitar qualquer compromisso com a paralisaçom das obras que exige o povo canguês. Se do PSOE e do PP nada se esperava, alguns sectores de Cangas mantinham a lembrança de um BNG combativo que há muito deixou de existir, batendo agora com a realidade. O compromisso do Bloque com o povo foi trocado pola assunçom de um novo papel como força de ordem ao serviço do sistema.

Assim, enquanto a vizinhança é espancada e detida, mantém-se a negativa de Clara Millán a participar nas mobilizaçons contra o porto desportivo, tal como a recusa a tomar medidas contra a destruiçom da costa canguesa. Tal comportamento acabou por provocar a indignaçom e os apupos do povo presente no pleno da sexta-feira, quando o BNG rejeitou a admissom de umha moçom da ACE relativa às obras de Massó.

Denúncias contra a vizinhança e ameaças de ruptura do governo fôrom a imediata resposta de Clara Millán, que parece empenhada em entregar Cangas à especulaçom urbanística e à destruiçom do território. Um retrato realista da posiçom actual do Bloque Nacionalista Galego como força definitivamente integrada na pseudodemocracia capitalista espanhola.