Brasil: Um juiz correto

Publicidad

 

Lewandowski, Cunha e o trato com bandidos

Primeiro, a de não conversar com bandidos exceto em situações públicas.

Segundo, idem com gente de comportamento psicótico.

Terceiro, mais ainda quando o indigitado é acusado de ser um “delinquente” que chefia um “grupo criminoso” na Câmara dos Deputados.

Aliás, ninguém de boa-fé e senso de prudência pode, atualmente, receber Eduardo Cunha sem testemunhas.

Ou sem um gravador ligado.

Lewandowski disse a ele o mínimo necessário.

O acórdão sai nos prazos legais e eventuais correções às decisões tomadas serão feitas apenas no julgamento de embargos regularmente apresentados, em reuniões públicas do STF, transmitidas pela TV Justiça.

Se Cunha não se conformar em tocar o rito do pedido de impeachment segundo o que o Tribunal decidiu, só tem uma alternativa: não tocá-lo.

Não tocá-lo, a propósito, é um bom método para lidar com Cunha

 

No blog Tijolaço

También podría gustarte

Los comentarios están cerrados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More