Brasil. Villas Bôas e a volta do gorilismo

Publicidad

Uma das grandes criticas populares à truculência militar é a denominação de “Gorilas”, dada aos generais da linha dura golpista, em 1964. Talvez a denominação seja anterior, mas ali se adequava à perfeição.

Um dos militares que escapava até há pouco dessa qualificação era o general Eduardo Villas Boas, comandante do Exército.

Pois Villas Boas exibe por inteiro, em alta definição, seu gorilismo explícito e cínico, em entrevista ao Estadão deste domingo.

Para além de sua peculiar visão do processo democrático, fazendo coro com as raposas do judiciário no veto político à candidatura Lula, o general coloca na vitrine um nacionalismo de fancaria.

Villas Boas repele a postulação do Conselho de Direitos Humanos da ONU – contra o veto ao ex-presidente – sob a alegação que seria uma afronta à soberania nacional. Então tá…

Veja-se:

“- Um dos argumentos da defesa de Lula é um parecer do Comitê de Direitos humanos da ONU. Como avalia?
É uma tentativa de invasão da soberania nacional. Depende de nós permitir que ela se confirme ou não. Isso é algo que nos preocupa, porque pode comprometer nossa estabilidade, as condições de governabilidade e de legitimidade do próximo governo.

– Na possibilidade de Lula se tornar elegível e ganhar, qual seria a posição das Forças? (…)
O pior cenário é termos alguém sub judice, afrontando tanto a Constituição quanto a Lei da Ficha Limpa, tirando a legitimidade, dificultando a estabilidade e a governabilidade do futuro governo e dividindo ainda mais a sociedade, afrontando tanto a Constituição quanto a Lei da Ficha Limpa, tirando a legitimidade, dificultando a estabilidade e a governabilidade do futuro governo e dividindo ainda mais a sociedade brasileira. A Lei da Ficha Limpa se aplica a todos”.

Palpite de gorila nunca é palpite. É palpite com baioneta e coturno.

Não se deve estigmatizar as Forças Armadas, instituição decisiva para o processo democrático. Mas levar a sério alguém que se cala diante de um golpe e diante da entrega do pré-Sal e da Embraer equivale a servir aperitivo a cobra.

 

PS do colaborador:

Fotoarte: “Gorilismo”

 .

Villas Bôas e a volta do gorilismo. Por Gilberto Maringoni

 

También podría gustarte

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More