Brasil. Um verme chamado Fachin

O advogado Wilson Ramos Filho, o Xixo, que lecionou com o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, na Universidade Federal do Paraná e foi um dos melhores amigos dele, desabafou no Twitter, depois que o ministro do STF mandou arquivar ação que poderia dar liberdade ao ex-presidente Lula.

Xixo o chama de “verme”. «O princípio da ‘colegialidade’ só vale contra a gente. O verme impede que seus pares apreciem a matéria», disse o advogado em sua página no Twitter. Ele já havia escrito um artigo em que, sem citar o nome, dizia:

 “Meu amigo morreu”.

Reportagem da Agência Brasil sobre a decisão de Fachin:

Fachin nega recurso de Lula e julgamento é cancelado no Supremo

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin rejeitou há pouco pedido protocolado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para aguardar em liberdade o julgamento de mais um recurso contra a condenação na Operação Lava Jato. Com a decisão, o caso não será julgado na próxima terça-feira (26) pela Segunda Turma da Corte, e Lula continuará preso.

A decisão do ministro foi tomada após a vice-presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF 4), Maria de Fátima Freitas Labarrère, rejeitar pedido para que a condenação a 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex em Guarujá (SP), um dos processos da operação, fosse analisado pela Corte.

Na decisão, Fachin afirmou que o resultado do julgamento do pedido de admissibilidade do recurso pelo TRF-4 impede o julgamento no STF.  «Com efeito, a modificação do panorama processual interfere no espectro processual objeto de exame deste Supremo Tribunal Federal, revelando, por consequência, a prejudicialidade do pedido defensivo, [o que] impede a análise da questão pelo STF», decidiu o ministro.

Se a condenação fosse suspensa pela Segunda Turma do STF, como pede inicialmente a defesa, o ex-presidente poderia deixar a prisão imediatamente e também se candidatar às eleições. A defesa do ex-presidente alegou que há urgência na suspensão da condenação, porque Lula é pré-candidato à Presidência e tem seus direitos políticos cerceados ante a execução da condenação, que não é definitiva.

Lula está preso há dois meses, na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba. A prisão foi executada com base na decisão do STF que autorizou prisões após o fim dos recursos na Oitava Turma do TRF 4, segunda instância da Justiça.

Fachin precisou de 45 minutos para anular julgamento de Lula

O intervalo de tempo entre a publicação da decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) e do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que arquivou na noite desta sexta 22 o recurso que julgaria a liberdade do ex-presidente Lula foi de 45 minutos.

Às 19h05, o TRF-4 publicou em seu site (que está fora do ar neste sábado) a decisão da vice-presidente do tribunal, desembargadora Maria de Fátima Freitas Labarrère, que admitiu o recurso especial do ex-presidente e negou o extraordinário.

Por conta da decisão, Fachin arquivou o pedido da defesa de Lula de suspensão da condenação pelo tribunal de Porto Alegre, uma vez que os advogados argumentavam que Lula não poderia estar preso sem que os últimos recursos do TRF-4 fossem julgados. A decisão de Fachin foi publicada no site do Supremo às 19h45.

A liberdade de Lula seria julgada na Segunda Turma do STF na próxima terça-feira 26. Em nota divulgada após a decisão de Fachin, o advogado Cristiano Zanin Martins, da equipe da defesa de Lula, demonstrou estranhamento com o timing do TRF-4.

«A defesa do ex-presidente Lula recorrerá das decisões proferidas nesta sexta 22 e estranha que o TRF4 tenha analisado a admissibilidade do recurso extraordinário às vésperas do julgamento marcado pela presidência da 2a. Turma do STF para analisar o pedido de liberdade do ex-presidente», observa.

Fotoarte: “Verme Fachin”

.

https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/359393/Ex-amigo-de-Fachin-o-chama-de-%E2%80%9Cverme%E2%80%9D-ap%C3%B3s-manobra-para-manter-Lula-preso.htm

 

NOTICIAS ANTICAPITALISTAS