Brasil. O sorriso de Dodge sobre declarações de Bolsonaro [Vídeo]

Publicidad

 

Dodge diz não ver ‘crime’ em ataque de Bolsonaro a petistas 

Redação RBA

Raquel, em seu dia de posse na PGR. Para ela, não há como apurar injúria porque termo ‘petralhada’ não faz referência a pessoas

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou na quarta-feira (5) não ver crime de injúria eleitoral nas declarações do candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro.

 «Vamos fuzilar a petralhada toda aqui do Acre. Vamos botar esses picaretas pra correr do Acre. Já que eles gostam tanto da Venezuela, essa turma tem que ir pra lá. Só que lá não tem nem mortadela, galera. Vão ter que comer é capim mesmo», disse ele, durante ato de campanha naquele estado.

Em manifestação ao Supremo Tribunal Federal, que recebeu na segunda-feira pedido da coligação O Povo Feliz de Novo (PT, PCdoB e Pros) para processar o deputado pelas declarações. O candidato também fez um gesto de fuzilamento usando um tripé de câmera em forma de fuzil. A coligação alega que o gesto, dirigido de forma generalizada aos militantes do PT e de esquerda em geral, incita à violência.

A chefe do Ministério Público Federal não viu injúria nessa declaração, porque “não há referência a pessoas” na expressão. No entendimento da procuradora, responsabilizar Bolsonaro nesse caso “configura elastecimento da responsabilidade penal por analogia ou por extensão, o que é absolutamente incompatível com o direito penal”.

Bolsonaro foi convidado a dar explicações, se quiser, à Justiça. O caso será analisado pelo ministro Ricardo Lewandowski. O caso está no STF porque Bolsonaro, por ser deputado federal, tem foro privilegiado na corte.

«Em relação aos demais crimes noticiados na representação, para compreender o contexto e a extensão das declarações, solicito abertura de prazo para que o parlamentar representado esclareça os fatos», notificou Dodge.

.

Dodge diz não ver ‘crime’ em ataque de Bolsonaro a petistas

 

PS do colaborador:

Fotoarte: “O sorriso de Dodge”

 

*****

 

Bolsonaro, em 2015: Que a Dilma caia infartada ou com câncer!

Conversa Afiada

Em setembro de 2015, Jair Bolsonaro esteve em Goiânia a convite da Corregedoria-Geral da Justiça para participar do I Workshop da Justiça Criminal, realizado na Associação dos Magistrados do Estado.

Em entrevista ao Jornal Opção, disse o seguinte sobre Dilma: “Espero que o mandato dela acabe hoje, infartada ou com câncer, ou de qualquer maneira”.

“O Brasil não pode continuar sofrendo com uma ‘incompetenta’, somos grandes demais para isso”.

Eis o que Dilma escreveu no Twitter: “Lamento muito a violência e o episódio ocorrido. Não concordo que o debate político seja feito com ódio ou se recorra à violência. O ódio não pode ser semeado. Não é assim que ganhamos respeito ou fazemos política”.

Vídeo:

.

https://www.conversaafiada.com.br/politica/bolsonaro-em-2015-que-a-dilma-caia-infartada-ou-com-cancer

 

También podría gustarte

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More