Publicado en: 29 octubre, 2015

Brasil: O sonho de Alex Solnik*

Por Alex Solnik

Ou a imprensa corrobora o que escreve – e não condena Cunha só nas páginas, mas no corpo a corpo do dia a dia – ou abdica do direito de ser o quarto poder da República.

Boicotem Eduardo Cunha

A imprensa não pode ser esquizofrênica. Não pode não acreditar no que ela própria afirma.

Não pode ter duas cabeças.

Por um lado, dá espaço a um farto noticiário com inúmeras provas de que Eduardo Cunha está se afogando num mar de lama suíço, o que lhe tira qualquer legitimidade para continuar à frente de um dos postos mais relevantes e influentes da vida brasileira e, por outro, continua tratando-o como legítimo presidente da Câmara dos Deputados.

Ou a imprensa corrobora o que escreve – e não condena Cunha só nas páginas, mas no corpo a corpo do dia a dia – ou abdica do direito de ser o quarto poder da República.

Não dá para conviver sem uma ponta de revolta e de mal-estar com cenas como as que vemos hoje. Abrimos o jornal e jorram depoimentos, extratos, recibos, passaportes, contas secretas milionárias de Cunha e quando ligamos a TV lá está o mesmo Cunha cercado de microfones fazendo o seu proselitismo da perseguição e dando continuidade aos desmentidos e às chantagens habituais.

Se houvesse mesmo algum traço de honestidade nas palavras de Cunha, ele deveria fazer o mesmo que Romário. Acusado por uma revista de manter conta secreta na Suíça, viajou até lá, foi ao banco e obteve uma certidão de que não tem dinheiro algum. Provou, assim, que seus extratos eram falsos. E vai ganhar uma bolada da revista, com certeza, como forma de indenização, além das desculpas que já obteve.

Por que Cunha não faz exatamente isso? E prova que os extratos atribuídos a ele são mentirosos? Porque tem medo de fazer uma viagem internacional, pode estar numa lista de procurados da Interpol, tal como Paulo Maluf e acabar surpreendido, como José Maria Marin, preso até hoje na Suíça.

E depois, ele, mais do que ninguém sabe que seus extratos são verdadeiros.

Os repórteres que estão lá no Salão Verde da Câmara dos Deputados esticando seus microfones para ouvir Cunha cumprem ordens e não têm autonomia para acatar a minha proposta. Mas deveriam ser orientados pelas chefias: não entrevistem Cunha; boicotem Cunha; fechem seus microfones; virem de costas para ele; não deem voz a quem não tem mais legitimidade; ele tem que se tocar de que seu poder se esvaiu; suas palavras não significam nada desde que divorciadas da verdade.

E, no entanto, por mais incrível que pareça, os microfones vão continuar lá, obedientes, à disposição de seus desmentidos e ansiosos por serem os primeiros a registrar o momento mais esperado por suas chefias, o de dizer sim ao impeachment.

É para isso que os microfones estão lá

 

*Alex Solnik na foto, é jornalista. Já atuou em publicações como Jornal da Tarde, Istoé, Senhor, Careta, Interview e Manchete. É autor de treze livros, dentre os quais “Porque não deu certo”, “O Cofre do Adhemar”, “A guerra do apagão”, “O domador de sonhos” e “Dragonfly” (lançamento janeiro 2016).

 

 

-->
COLABORA CON KAOS