Chile. Nicanor Parra – ‘Vou e volto’

 

Vou e volto’, avisa Nicanor, irmão de Violeta Parra, morto aos 103 anos.

O escritor em sua casa no litoral chileno: transgressão na literatura de seu país e reconhecimento internacional.

São Paulo.- Ao som de Gracias a la Vida, de sua irmã Violeta, com uma manta bordada pela mãe e um recado singelo deixado sobre o caixão («Voy & Vuelvo», vou e volto, um de seus poemas visuais).

Assim foi a despedida, ontem (25), do escritor chileno, o poeta ou «anti-poeta» Nicanor Parra, que morreu na última terça-feira (23), aos 103 anos.

 «Um dos protagonistas das letras chilenas», como definiu, em nota, o Museu Violeta Parra. Alguém que rompeu com a estética da poesia de seu país com sua «montanha-russa», conforme sua própria definição.

O autor de Poemas y Antipoemas (1954), entre outras obras, ganhou o Prêmio Nacional de Literatura em 1969, o Prêmio Ibero-americano de Poesia Pablo Neruda em 2012 e o Cervantes em 2011. Irmão mais velho de Violeta (1917-1967), veio de uma família numerosa e de origem camponesa – ele completaria 104 anos em setembro. Até hoje inédito no Brasil, deverá ter uma antologia publicada no segundo semestre.

«Apesar do reconhecimento internacional (sobretudo na América Latina, na Espanha e nos Estados Unidos), a obra de Parra, e a literatura chilena em geral, com raras mas significativas exceções, permanece virtualmente desconhecida no Brasil, tanto no meio acadêmico quanto do público», escreveu há alguns anos o escritor e pesquisador João-Gabriel Mostazo Lopes. «Não seria exagero afirmar que, se o Chile provocou na literatura brasileira qualquer impacto permanente durante o século passado, foi aquele Chile o país de Neruda.»

«Poeta formado em matemática, cosmopolita radicado num vilarejo, pensador anárquico que repudiava toda ideologia (inclusive o anarquismo), Nicanor Parra causava um misto de espanto e admiração a quem quer que tentasse decifrá-lo», definiu o jornalista e professor Guilherme Freitas, que o entrevistou em 2014, em Las Cruces, litoral do Chile, a 120 quilômetros de Santiago, «onde ele vivia há mais de uma década, numa casa com a palavra “antipoesia” pichada na porta», descreve. «Às vésperas de completar 100 anos, conservava a memória prodigiosa e a lucidez irreverente.»

Em entrevista ao jornal El País, em 2011, Nicanor disse que nunca foi autor de nada, «porque sempre pesquei coisas que estavam no ar».

 

 Fotoarte: «Nicanor»

.

‘Vou e volto’, avisa Nicanor, irmão de Violeta Parra, morto aos 103 anos

NOTICIAS ANTICAPITALISTAS