Brasil-MST: Abril Vermelho e luta contra o PL 4.330

Publicidad

Somando-se à luta contra o Projeto de Lei (PL) 4.330, que libera as terceirizações, e em defesa dos direitos e da democracia, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realiza, desde a manhã desta quarta-feira (15), uma série de manifestações pelo país.

A iniciativa faz parte da Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária, que ocorre todo mês de abril com o objetivo de cobrar, dos governos estadual e federal, a desapropriação de terras para a Reforma Agrária e um programa que garanta infraestrutura para os assentamentos.

«As bandeiras levantadas pelo movimento dialogam diretamente com as necessidades de mudanças para o avanço da reforma agrária, como por exemplo, a reforma política. Temos clareza que frente a um Congresso extremamente conservador e reacionário, que não representa o povo brasileiro, somente com uma reforma política que impulsione a mudança de sua forma e conteúdo é possível avançarmos, também, na realização da reforma agrária», destaca Débora Nunes, da coordenação nacional do MST.

As ações desta quarta-feira ocorrem com o bloqueio das principais rodovias do país. Entre elas, a que liga a capital paulista ao Pontal do Paranapanema, que foi ocupada por cerca de 200 pessoas. As rodovias BR-104 e BR-232, em Pernambuco, e a BR-276, em Curitiba (PR) também estão fechadas. Em Curitiba, a ação concentra-se na frente das fábricas da Volvo e da Bosch.

Em Alagoas, os camponeses bloquearam rodovias nos municípios de Atalaia (BR-316) e dois pontos da BR-101, em Flexeiras e em Joaquim Gomes, além da BR-104 na cidade de União dos Palmares.

Ainda no estado, cerca de 400 trabalhadores ocuparam a sede da Águas do Agreste em Arapiraca. A empresa é responsável, através de parceria público-privada, pela gestão de abastecimento de dez cidades da região e os sem-terra denunciam que o destino da água está a serviço da mineração, beneficiando a empresa Vale Verde.

Ontem (14), cerca de 600 integrantes do MST ocuparam a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em Cuiabá (MG). Eles relembraram o massacre ocorrido em 1996, quando 21 trabalhadores sem terra foram assassinados e mais de 60 ficaram feridos durante uma operação da Polícia Militar para reprimir uma marcha dos trabalhadores, no sudeste do Pará.

 

También podría gustarte

Los comentarios están cerrados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More