Brasil. Minas Gerais: Ato de protesto na Universidade Federal de MG

Publicidad

Ato na UFMG protesta contra fusão do Ministério da Ciência com pasta das Comunicações

Jornal GGN

Na tarde da quarta-feira (8), cerca de 300 pessoas participaram de ato no campus Pampulha, da Universidade Federal de Minas Gerais, em protesto contra a fusão do a fusão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação com o Ministério das Comunicações, e pedindo uma pasta exclusiva e política de Estado para a ciência no país. Participaram do ato servidores, pesquisadores e estudantes da universidade.

Na abertura da manifestação, foi lida uma nota divulgada pelo Conselho Universitário da UFMG que classifica como um «grave retrocesso» a fusão dos ministérios, promovida pelo governo interino de Michel Temer. O reitor Jaime Ramírez disse que a comunidade precisa deixar clara sua indignação com uma decisão «inaceitável». «Precisamos estar preparados para indicar nossa contrariedade com relação a essa nova configuração e resistir, seja como for”, afirmou.

Ronaldo Pena, reitor entre os anos de 2006 e 2010, ressaltou que o Ministério da Ciência tem sido comandado por pessoas com trajetória acadêmica, e que a pasta não é lugar de «barganhas políticas». Israel Vainsecher, professor do Departamento de Matemática, falou sobre o “cerco midiático que nos faz discursar apenas para nossos próprios umbigos” e criticou outros atos do governo Temer, como as mudanças na Empresa Brasileira de Comunicação (EBC).

Da UFMG

Pesquisadores, servidores e estudantes defendem ministério exclusivo e política de Estado para CT&I

Três décadas após a criação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), a sociedade brasileira compreende o valor do investimento no setor para o desenvolvimento econômico e social do Brasil. Uma política de Estado, aliada ao esforço coletivo, aumentou exponencialmente a capacidade de produção científica, e essa história de conquistas não pode sofrer retrocesso.

Movidos por essa convicção, manifestada pelos organizadores e pelos oradores, cerca de 300 pessoas participaram no início da tarde de hoje, no gramado em frente à Reitoria, no campus Pampulha, de ato contra a fusão do MCTI com o Ministério das Comunicações.

O ato teve participação de dirigentes e ex-dirigentes da Universidade, professores, técnicos e estudantes e apoio de entidades como a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e a Academia Brasileira de Ciências (ABC). A nota divulgada na última segunda-feira, 6, pelo Conselho Universitário da UFMG, que classifica de “grave retrocesso” a fusão dos ministérios, foi lida na abertura da manifestação.

Ao falar “como cidadão, docente e reitor”, Jaime Ramírez afirmou que a comunidade da UFMG deve deixar clara sua indignação contra uma decisão “inaceitável” e defendeu uma política de Estado para a ciência e tecnologia “forte e de longo prazo, que atenda aos interesses do país”.

O reitor disse que a Universidade deve se posicionar a favor de avanços conquistados também em áreas como educação, saúde e cultura. “Precisamos estar preparados para indicar nossa contrariedade com relação a essa nova configuração e resistir, seja como for”, afirmou Ramírez.

A vice-reitora Sandra Goulart Almeida também ressaltou o papel da UFMG como foco de resistência. “Não podemos abrir mão de valores como os que têm gerado avanços e contribuir para um movimento unificado que leve à recriação do MICT, que deve ganhar cada vez mais relevância, como promotor de desenvolvimento, cidadania e inclusão”, disse.

‘Coisas que não se misturam’

O professor Ronaldo Pena, reitor na gestão 2006-2010 e hoje à frente do Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-TEC), lembrou que não se faz desenvolvimento sustentável sem inovação tecnológica. “Não se deve misturar coisas que não se misturam, como comunicações e ciência tecnologia e inovação. O MCTI tem sido gerido por pessoas com trajetória acadêmica, como José Israel Vargas e Clélio Campolina; não é lugar de barganhas políticas. É fundamental que nos articulemos para reverter a situação criada pela fusão dos ministérios”, enfatizou.

Vice-reitora na mesma gestão, Heloisa Starling, do Departamento de História, citou o filósofo Paul Valéry – “construir exige obediência aos mais belos pensamentos” – para sentenciar que “nosso ato de construir está em perigo”. Segundo ela, o MCTI tem sido espaço de diálogo entre formas distintas de conhecimento – envolvendo humanidades, artes e tecnologia de ponta – e, da mesma forma, na UFMG, a ciência não é dissociada do humano. “Uma república em que a ciência não tem valor não tem espaço para a tolerância e a solidariedade”, declarou.

Precedido de coro de “Fora, Temer”, que se repetiria em outros momentos, o professor do Departamento de Matemática Israel Vainsencher, representando também a ABC, mencionou o “cerco midiático que nos faz discursar apenas para nossos próprios umbigos” e criticou outros atos do governo provisório, como mudanças na Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) e corte de verbas para blogs independentes.

A diretoria do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), Andrea Mara Macedo, classificou a extinção do MICT como “golpe de misericórdia”, após cortes de recursos que afetaram recentemente pesquisa e inovação. “Precisamos estar mobilizados e continuar pressionando”, defendeu Andrea. Assim que ela terminou de falar, alunos do ICB fizeram breve performance em prol dos direitos humanos e da democratização do acesso à universidade.

Progresso

“Os dois ministérios são excludentes entre si, têm missões muito diferentes”, disse, ao criticar a fusão, o professor Eduardo Mortimer, da Faculdade de Educação, que representava também a SBPC. Ele fez referência à melhoria da posição do Brasil no ranking de produção científica: em três décadas, o Brasil subiu da 21ª para a 13ª posição e aumentou em quase sete vezes sua produção. “O MCTI foi um dos responsáveis por esse progresso.”

Em nome da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), a professora Eli Iola Andrade, da Faculdade de Medicina, reproduziu posição de programas de pós-graduação nessa área pelo compromisso com a pesquisa, a produção de conhecimento, a formação de recursos humanos e a integridade do Sistema Único de Saúde (SUS). O diretor do Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear (CDTN), Waldemar Macedo, destacou que o setor de ciência e tecnologia não pode ser instrumento de barganha e que é preciso “perseverar” na defesa da manutenção do MCTI.

‘Queremos mais’

As entidades que representam estudantes, técnico-administrativos e professores também fizeram uso do microfone. Isabela Mendes, da diretoria recém-eleita do DCE, garantiu apoio da entidade ao movimento “contra retrocessos e pelos direitos sociais». «Não queremos menos ciência, tecnologia e inovação. Queremos mais”, disse a estudante.

A coordenadora do Sindifes, Cristina Del Papa, manifestou apoio ao ato de iniciativa de pesquisadores contra a fusão dos ministérios, chamou a atenção para projeto de lei que contém medidas prejudiciais aos servidores federais e pregou a defesa “da educação e da universidade pública, de qualidade”. Representante da Apubh, o professor Armando Neves exaltou a união dos diversos segmentos contra o que também classificou de retrocesso. “Devemos nos espelhar nos artistas, que conseguiram a recriação do Ministério da Cultura. E promover outros atos como este, tantos quantos forem necessários.”

A professora Rita Marques, coordenadora da Rede de Museus da UFMG, empenhou apoio da Sociedade Brasileira de História das Ciências. Clélio Campolina, reitor na gestão 2010-2014 e ex-titular do MCTI, enviou mensagem em que defendia «esforço urgente e consistente» em ciência, tecnologia e inovação, sem o qual «o futuro do país estará comprometido», e se disse angustiado com com a «decisão de atrofiar as funções do Ministério».

O professor Tarcisio Mauro Vago fechou o ato lembrando que a UFMG sempre combateu e criticou governos, “todos eles, quando necessário». “A Universidade, como patrimônio público, se posiciona em defesa da sociedade”, disse.

También podría gustarte

Los comentarios están cerrados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More