Brasil. Fim das Ilusões

Publicidad

 

A prisão de Lula e o fim das ilusões

Ilusão 1 – o fim do Estado de Exceção

Hoje em dia, apenas Fernando Henrique Cardoso sustenta essa falácia – sabendo que as pessoas acreditam que ele não acredita em uma vírgula do que fala.

Hoje em dia, qualquer pessoa contrária ao sistema está sob ameaça. Os exemplos são diários:

1- Busca e apreensão na casa de um advogado crítico da Lava Jato, porque foi flagrado em uma escuta telefônica, na qual seu cliente sugeria a ele não falar ao telefone.

2- Busca e apreensão na casa do ex-Ministro Delfim Neto, que está há mais de 30 anos fora do poder. Delfim vive de consultoria, mas o que recebeu por uma delas foi classificado como “propina”. O que ele tinha a oferecer, não tendo cargos? Dilma Rousseff irritou-se com a intransigência das construtoras de Belo Monte e a falta de competição nas licitações. Delfim foi contratado pelas empreiteiras para montar um pool que garantisse a disputa. Uma delação que chamou o pagamento da consultoria de propina bastou para que invadissem sua casa e seu escritório. E houve quem celebrasse porque Delfim representaria a “ditadura” – aquela, que acabou com a eleição de Tancredo.

3- A persistência de invasões em universidades e outros centros de resistência.

4- A prisão de um ex-presidente da BRF por manipulação de teste sanitários. Liberou geral e não há força que consiga conter os abusos. As únicas declarações da presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Carmen Lúcia são de defesa genérica da corporação dos juízes.

5- A incapacidade do sistema legal de impedir as maiores negociatas da história, articuladas à luz do dia. Só atuam em episódios menores, à altura da compreensão do populacho: como a candidata a Ministra que faz selfie com fortões. Fogem dos temas centrais, como a venda da Eletrobrás, como o diabo da cruz.

6- Uma presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) completamente a reboque dos fatos, recebendo em casa – e servindo pão de queijo – um presidente prestes a ser indiciado. Como uma presidente débil como Carmen Lúcia, as tentativas de impedir abusos – como o das conduções coercitivas – resulta na operação BRF: várias prisões temporárias, arrostando claramente a proibição do Ministro Gilmar Mendes de conduções coercitivas. Depois de entregar ao Senado uma atribuição do STF – o julgamento de políticos acusados de corrupção – Carmen Lúcia agora se nega a antecipar a discussão sobre a prisão em 2ª instância unicamente devido ao fato de que poderia beneficiar Lula.

7- Ampliação da presença militar no governo.


Ilusão 2 – o fator Lula

Nos próximos dias, se desfará de vez a ilusão de que quem deu o golpe permitirá a candidatura de Lula. Enquanto a oposição pensa o P4R, a situação – que tem o jogo na mão – já planeja o cheque-pastor.

Não se limitará a impedir a candidatura de Lula, mas sua própria participação na campanha. Constatou o óbvio: que Lula é não apenas o candidato mais forte, mas também o eleitor mais influente. Por isso, há versões sustentando que haverá prisão – sim – e de prazo suficientemente prolongado para tirar Lula da campanha, vetando até seus depoimentos de apoio a candidatos.
Ilusão 3 – a vitória fácil sobre Temer

Há a ilusão de que o desastre Temer é suficientemente eloquente para inviabilizar candidaturas de direita – de Bolsonaro a Geraldo Alckmin. É possível, mas com um mínimo de articulação. Oposição não nasce das cinzas, como uma fênix.

O fator Lula – na condição de maior força da esquerda – até certo ponto minimizava as quizílias entre partidos de oposição. Quando se constatar a impossibilidade de Lula candidato, haverá choro e ranger de dentes – e tiros para todo lado, uma corrida para ver quem sai na pole positionque, se não houver conversas e acordos prévios, poderá ser fratricida.

Será uma eleição dificílima, mesmo tendo do outro lado a sombra do mais execrável presidente da história.

No TSE (Tribunal Superior Eleitoral) haverá um general implacável, Luiz Fux, que já ameaçou com prisão prévia, busca e apreensão, os produtores de “fake News” – podendo interpretar, a seu talante, o que considera por tal. No pós-mensalão, assim que viu-se com poder, Fux afrontou o Congresso, no episódio dos royalties do petróleo, denotando uma vocação explícita para atos arbitrários. E no TSE, montado em uma legislação que deixa por sua conta definir o que é “fase News”?

Além disso, não se deve apostar tudo na fraqueza dos candidatos de direita. Luciano Huck sempre é uma possibilidade, principalmente se Geraldo Alckmin não alçar voo – e nada indica que voará. É possível que, à luz de pesquisas atuais, o sistema acabe convencendo Huck a beber do cálice da candidatura.

Em suma, para o segundo turno haverá um candidato que independe de mídia – Bolsonaro – e existe a possibilidade concreta de seu adversário ser alguém dito de centro-direita.


Conclusão – recompor o foco

À medida que vai se caminhando para um desfecho, e que cai a esperança de Lula candidato, se não houver uma ocupação rápida de espaço, as oposições serão presas fáceis de manipulações de toda ordem. Hoje em dia, qualquer intriga provoca incêndios violentos. O desespero induz a crenças em balas de prata e chás do Santo Daime.

O Brasil já provou definitivamente que a atual geração de homens públicos é a mais medíocre da história – talvez com algumas exceções na República Velha. Mas a esquerda terá que demonstrar que, pelo menos no seu quintal, há análise estratégica, bom senso e desprendimento.

Suas lideranças terão que, rapidamente, sentar e começar a negociar.

Talvez esta seja a grande contribuição de Lula, antes de consumado seu sacrifício.

No Jornal GGN

También podría gustarte

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More