Brasil: Federação Única dos Petroleiros (FUP) – Os Petroleiros estão em Greve. – liminar judicial da Petrobrás

Segundo a FUP, além de não responder às reivindicações da federação referentes principalmente à segurança, garantia dos postos de trabalho nas empresas contratadas e ao extra-turno, a proposta apresentada pela Petrobras na última segunda-feira (dia 16) cria um plano de Participação nos Lucros e Resultados (PLR) «inaceitável».

No Estado de São Paulo, segundo o Sindicato Unificado dos Petroleiros do Estado de São Paulo (Sindipetrosp), as refinarias de Campinas estão com cerca de 1.200 trabalhadores de braços cruzados. Em Mauá, são 500 funcionários parados.

De acordo com o Sindipetrosp, os funcionários não estão trabalhando nos terminais de São Caetano do Sul, Guarulhos, Guararema, desde as primeiras horas de hoje, assim como nas refinarias do litoral, nos terminais da Transpetro, em Capuava e Paulínia.

Na Replan, a gerência da Refinaria adotou o revezamento controlado «troca de turno de um trabalhador por vez», e em Barueri, a diretoria tentaria realizar corte de rendição na manhã de hoje, segundo o sindicato.

De acordo com o sindicato, em algumas refinarias a produção é controlada com a paralisação do bombeio, como em Guarulhos, produzindo o mínimo para não afetar a população. Além dos petroleiros, a adesão dos caminhoneiros que transportam o combustível também é esperada. Funcionários terceirizados de algumas unidades também aderiram à paralisação, segundo o sindicato.

Bahia

Os trabalhadores da Refinaria Landulpho Alves, na Bahia, cortaram a rendição às 15h30 de o­ntem. Os petroleiros anteciparam a greve devido ao fato de a Petrobras ter ingressado na refinaria uma equipe de gerentes e supervisores.

Paraná

Petroleiros da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, que entrariam no turno desta manhã, aderiram à greve nacional da categoria e estão concentrados em frente à unidade.

Eles afirmam que quem fechou as portas foi a direção da Repar. «Nós queremos entrar para exercer o direito de greve no nosso posto de trabalho», disse o presidente do Sindicato dos Petroleiros do Paraná, Silvaney Bernardi. «Queremos exercer nosso direito de pelego e entrar na unidade.» A intenção dos petroleiros é controlar internamente a produção. Os petroleiros esperam que a direção da Repar os chame para uma mesa de negociação.

A Petrobras obteve liminar judicial

A liminar foi concedida pela 17ª Vara da Justiça do Rio, em Macaé, e atende a todas as unidades instaladas na Bacia de Campos.

Segundo a decisão judicial, a estatal tem que garantir a segurança para os trabalhadores que optarem por permanecer em greve ainda embarcados nas plataformas. A assessoria de imprensa da estatal informou também que nenhuma unidade está com atividades suspensas e que algumas delas operam sob comando do grupo de contingenciamento da Petrobras. Segundo a petrolífera, não há perda da produção nem em unidades exploratórias nem nas refinarias.

FUP

Já a FUP informou mais cedo que a Refinaria de Manaus (Reman) está com 100% de suas atividades paralisadas por conta da greve nacional. Ainda de acordo com a federação, as plataformas marítimas de exploração de petróleo no Estado do Rio Grande do Norte também estão com as operações suspensas. A FUP afirma, também, que a plataforma P-34 (ES), a primeira a explorar a área do pré-sal no País, também sofreu paralisação durante a madrugada e agora é operada por um grupo de contingência da Petrobras. O mesmo teria ocorrido em 28 das 44 plataformas na Bacia de Campos.&nbsp

&nbsp

NOTICIAS ANTICAPITALISTAS