Brasil. Escalada autoritária do regime Bolsonaro: Operação Placebo

"Continuarei lutando contra esse fascismo e essa ditadura"

Publicidad

«Não permitirei que esse presidente se torne mais um ditador»

Horas depois de ser alvo da Operação Placebo, deflagrada pela Polícia Federal nesta terça-feira 26/V, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), fez um pronunciamento no Palácio Laranjeiras.

Ele classificou a operação como “desproporcional” e chamou a investigação de “fantasiosa”. Na fala aos jornalistas, ele voltou a criticar o presidente Jair Bolsonaro e disse que quem deveria estar na cadeira é o senador Flávio Bolsonaro.

Disse Witzel:

«Não foram encontrados valores, não foram encontrados joias. Se encontrou, foi apenas a tristeza de um homem e de uma mulher pela violência com que esse ato de perseguição política está se iniciando no nosso país. O que aconteceu comigo vai acontecer com outros governadores que forem considerados inimigos. Narrativas fantasiosas, investigações precipitadas. Um mínimo de cuidado na investigação do processo penal, levaria aos esclarecimentos necessários. Ao contrário, o que se vê na família do presidente Bolsonaro é a Polícia Federal engavetar inquéritos e vazar informações. O senador Flávio Bolsonaro, com todas a provas que já temos contra ele, que já estão aí sendo apresentadas, dinheiro em espécie depositado em conta corrente, lavagem de dinheiro, bens injustificáveis, ele já deveria estar preso. Esse sim.

A Polícia Federal deveria fazer o seu trabalho com a mesma severidade que passou a fazer no estado do rio de Janeiro, porque o presidente acredita que eu estou perseguido a família dele, e ele só tem essa alternativa de me perseguir politicamente. Acusações levianas estão feitas em relação a mim, mas tudo isso será absolutamente demonstrado de forma clara e precisa nos processos que tramitam no STJ.

Quero dizer ao povo do Rio de Janeiro que estou com a minha consciência tranquila. Eu prometi ao povo que não os decepcionarei e não irei decepcioná-los, mesmo lutando contra forças muito superiores a mim. Continuarei trabalhando de cabeça erguida, manterei minha rotina de trabalho, para continuar salvando vidas e corrigindo erros que todos nós estamos passíveis de sofrermos diante desse momento tão difícil que atravessa o Brasil, governado por um líder que, além de ignorar o perigo que estamos passando, inicia perseguições políticas a quem ele considera inimigo.

Continuarei lutando contra esse fascismo que se instala no país e contra essa ditadura de perseguição. Não permitirei que esse presidente que ajudei a eleger se torne mais um ditador da América Latina. Não abaixarei minha cabeça, não desistirei do estado do Rio de Janeiro, e continuarei trabalhando para uma democracia melhor.

Eu continuarei lutando contra esse fascismo que está se instalando no país, contra essa nova ditadura de perseguição. Até o último dos meus dias, eu não permitirei que, infelizmente esse presidente que eu ajudei a eleger, se torna mais um ditador na América Latina. Vamos lutar contra isso, vou apresentar tudo que for necessário para esclarecer e acabar com esse circo que está sendo feito em relação ao Estado do Rio de Janeiro. A democracia vai vencer. Nós vamos lutar e, tenho certeza, que a Justiça será feita em momento oportuno».

.

https://www.conversaafiada.com.br/brasil/witzel-continuarei-lutando-fascismo-ditadura

 

**********

Escalada autoritária

Comentário do governador João Dória: «Isso é preocupante»

  «A utilização da PF para intimidar adversários, seja na política ou fora dela, deve ser condenada pela sociedade», completou Doria

 Ação da PF contra Witzel «indica escalada autoritária»

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta terça-feira 26/V que a operação da Polícia Federal contra o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), indica uma escalada autoritária por parte do governo de Jair Bolsonaro.

«Independentemente da análise, e toda investigação necessária deve ser feita onde há suspeita, a operação que foi anunciada antecipadamente por uma deputada aliada, e comemorada pelo presidente, insinua a escalada autoritária e isso é preocupante», afirmou Doria.

O governador fez alusão ao fato de a deputada federal ultrabolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP) ter indicado, ainda na segunda-feira 25/V, que aconteceriam ações contra governadores.

 «A utilização da PF para intimidar adversários, seja na política ou fora dela, deve ser condenada pela sociedade», completou Doria.

 

Fotoarte do colaborador

También podría gustarte

Los comentarios están cerrados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More