Brasil. Ecléa Bosi, presente!

Publicidad

 

Uma voz dedicada aos explorados e esquecidos

Para a psicóloga e professora Ecléa Bosi enraizar-se é um direito humano fundamental. «Assumir uma visão operária do mundo é um exercício difícil, um limite que tentamos alcançar, um caminho a percorrer».

Para Marilena Chaui, Ecleia representava a coerência permanente, ‘voz tensa como um sino de onde saltam badaladas de esperança’.

 Ecléa Bosi declarou, em uma entrevista de 2012, que considerava o «enraizamento», em um espaço ou em uma comunidade, um direito humano fundamental.

«O desenraizamento a que nos obriga a vida moderna é uma condição desagregadora da memória», afirmou a psicóloga e escritora, que morreu nesta segunda-feira (10), aos 80 anos, em consequência de um ataque cardíaco.

A professora era casada com o crítico e historiador Alfredo Bosi. Deixou dois filhos, os também professores Viviana e José Alfredo, e dois netos. O velório  realizado no Cemitério São Paulo (Rua Cardeal Arcoverde, 1.250, em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo) e o sepultamento será hoje, às 9h.

A Reitoria da Universidade de São Paulo (USP) decretou três dias de luto oficial. Foi ali que Ecléa graduou-se em Psicologia em 1966, com mestrado e doutorado em Psicologia Social na mesma instituição. Era professora emérita da USP.

A pensadora escreveu, entre outras obras, Memória e Sociedade – Lembranças de Velhos (1994), livro relançado neste ano e considerado fundamental para a compreensão da formação operária brasileira.

A esse respeito, o professor Paulo Sérgio Pinheiro afirmou que se trata de «um manancial de ensinamentos sobre a participação política e o mundo do trabalho no Brasil», com história do dia a dia dos imigrantes, dos operários e dos trabalhadores domésticos.

Durante evento no Cemitério do Araçá pelos 100 anos da primeira greve geral no país, o jornalista Sérgio Gomes citou Cultura de Massa e Cultura Popular – Leituras de Operárias (1973), livro que considera «seminal» para quem lida com comunicação voltada para os trabalhadores. «Eles perderam uma aliada poderosa.»

Em outra entrevista, de 2014, se destaca a atenção de Ecléa para «grupos sociais fragilizados», como pobres, trabalhadores de baixa renda e idosos. Ela foi idealizadora do projeto Universidade Aberta à Terceira Idade, que segundo a USP atende anualmente a 9 mil pessoas com mais de 60 anos.

«Certa vez, Ecléa me presenteou com um livro chamado A Firmeza Permanente. Eu quero, aqui, falar do traço mais marcante de Ecléa: a coerência permanente, uma voz tensa como um sino que repica alegremente para, de súbito, soar com a gravidade de um dobre prolongado do qual, de repente, salta uma nova nota, uma badalada cheia de esperança», diz a filósofa Marilena Chaui, em texto em homenagem à psicóloga escrito em 2008. Ela cita um trecho do livro sobre as leituras de operárias:

 «Assumir uma visão operária do mundo é um exercício difícil, um limite que tentamos alcançar, um caminho a percorrer».

Segundo ela, o paulistano é um «migrante urbano», lembrando que ela mesma mudou várias vezes de casa. Em todas, plantou um pomar. «A vida é um pouco isso, plantar árvores frutíferas, pedindo a Deus que alguém esteja lá depois saboreando os frutos.»

 .

http://www.redebrasilatual.com.br/cidadania/2017/07/eclea-bosi-uma-voz-dedicada-aos-explorados-e-esquecidos

También podría gustarte

Los comentarios están cerrados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More