Publicado en: 9 diciembre, 2015

Brasil – Debate: Sinal de alerta na América Latina

Por Felipe Bianchi

A onda golpista no Brasil e as derrotas na eleição presidencial da Argentina e na eleição parlamentar venezuelana soam o alerta máximo para a esquerda latino-americana: afinal, onde foi que erramos?

Estaríamos derrotados? Estes questionamentos foram tema de debate entre Breno Altman, diretor editorial do Opera Mundi, e José Reinaldo de Carvalho, diretor do Centro Brasileiro de Solidariedade e Luta pela Paz (Cebrapaz), mediados pela jornalista Maria Inês Nassif. A atividade ocorreu na segunda-feira (7), na sede do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, como parte do Ciclo de Debates Que Brasil é Este?.

Para Altman, nos processos de avanços sociais que já perduram por mais de uma década no continente existiram contradições que foram exploradas pelas forças de direita, desatando a ofensiva conservadora em curso na região. “Diferente da União Soviética, os processos latino-americanos do século 21 plantearam reformas sem que o Estado tenha sido destruído”, avalia. “Nos casos clássicos da URSS e de Cuba, a destruição do Estado burguês precede as mudanças e os avanços”.

Conforme pontua o jornalista, os governos progressistas da região promovem transformações sociais significativas, expandindo a renda e o emprego. “Em um primeiro momento, isso é uma formidável força propulsora da economia, dinamizando o comércio e gerando um ciclo virtuoso. Mas quando cai a capacidade de investimentos e não se muda a estrutura produtiva, nasce a contradição, que está no âmago das crises na América Latina”, argumenta. “A quantidade de dinheiro na mão dos trabalhadores sobe, porque aumentou o emprego e o salário. Mas diminui a capacidade de produzir bens e serviços necessários para satisfazer as demandas.”.

O caso da Venezuela, país que mais expandiu direitos e que mais distribuiu renda, é emblemático, de acordo com Altman: Em resumo, o processo é baseado na retirada do poder sobre o petróleo das mãos das oligarquias. A renda petroleira, apropriada pelo Estado, financia os programas sociais bolivarianos. Essa renda, porém, não foi direcionada em medida suficiente para construir uma nova base produtiva no país – uma indústria que fosse capaz de libertar o país da dependência do petróleo. Sem resolver esse desafio, a Venezuela, continua uma economia compradora, que vende petróleo e compra todo o resto, pois não produz”.

O revés sofrido nas urnas no dia 6 de dezembro, ocasião em que o povo venezuelano elegeu maioria da oposição para a composição do Congresso – 99 representantes da Mesa da Unidade Democrática (MUD) contra 46 do Grande Polo Patriótico –, é ‘cataclismático’, nas palavras de Altman. Afinal, é a primeira vez que o chavismo terá de governar com minoria parlamentar.

“Boa parte de quem votou contra o chavismo”, discorre Altman, “era da base chavista”, de bairros e comunidades que, tradicionalmente, votam em massa nos candidatos do Grande Polo Patriótico. Segundo ele, isso significa que não se trata de uma base ideológica de direita, mas de uma base insatisfeita, que pode transitar novamente para o lado de Nicolás Maduro. “A conjuntura, no entanto, é extremamente difícil”

O caso brasileiro

Ameaçado pelo fantasma do golpe, já que a histórica aliança entre setores conservadores e grandes meios de comunicação inflamam diuturnamente a tese do impeachment e sangram as imagens de Lula e da presidente Dilma Rousseff, o caso brasileiro guarda muitas semelhanças com o que se passa no resto do continente. De acordo com o diretor da Opera Mundi, “temos, em todos os países, enorme dificuldade em preservar a alternativa que oferecemos como viável e competitiva do ponto de vista da disputa com as classes dominantes”.

Em retrospectiva, ele lembra que chegamos praticamente no pleno emprego em 2014. “Evidentemente que um país que faz uma transferência de renda desse porte produz reação inflacionária quando não se avança na estrutura produtiva”, salienta. “Apenas a exportação agro-extrativa expandiu, caindo novamente no problema da expansão da demanda versus retração dos investimentos”. Para ele, o Estado não foi capaz de executar um modelo que construísse uma nova estrutura produtiva para sustentar essa dinâmica de distribuição de renda inaugurada na virada do século.

“Nós não detemos, previamente, o controle e o poder do Estado. Logo, a margem de erro é estreita.

Esse não é o único problema no Brasil e no continente, mas é fundamental nos atermos às condições materiais dessa crise”, sublinha. “Ou somos capazes de aglutinar forças políticas e instrumentos de disputa de hegemonia para resolver essa contradição, ou os riscos de crise e derrota serão gigantes”.

Soberania e integração em risco

José Reinaldo Carvalho elegeu a figura de Maurício Macri, típico representante da elite argentina e eleito presidente em segundo turno, no mês de novembro, como exemplo dos estragos que a direita pode causar à integração latino-americana e à soberania das nações, uma das principais bandeiras erguidas pelos projetos progressistas da região.

“A primeira atitude de Macri ao ser eleito foi vir ao Brasil fazer provocações, propondo a retirada da Venezuela do Mercosul”, dispara. “A sua vitória cria um fator de instabilidade bastante agudo na vida não só do Mercosul como espaço de integração econômica, mas também na vida política do continente”.

A integração promovida atualmente, segundo José Reinaldo, busca o desenvolvimento harmônico da região, com mecanismos e iniciativas como a Alba, a Unasul e a Comundiade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac). “Trata-se da luta por uma nova configuração da ordem mundial”, sintetiza.

Após largo período de ditaduras militares e, posteriormente, de governos civis autoritários, que submeteram o continente a uma ‘longa noite neoliberal’ (como definiu o presidente equatoriano Rafael Correa), logrou-se conquistas importantes na região, “com a construção de uma nova democracia, um novo processo de integração e com bases para um sistema fundamentado na soberania e no progresso social”, aponta. “Sabemos onde a América Latina estava e onde ela está. Agora precisamos responder para onde ela vai”.

“O que vem ocorrendo de alguns anos para cá e que está chegando a um ponto de ruptura, soando um sinal de alerta”, de acordo com ele, “tem a ver com a intensificação da contra-ofensiva das classes dominantes de nosso continente, amparadas por potências imperialistas como os Estados Unidos, que ainda acalentam o sonho de manter nosso solo como seu quintal”.

Resistir, lutar e vencer

Na tarefa de refletir sobre os horizontes cinzentos da ofensiva em curso, José Reinaldo recomenda “nem dourar a pílula e nem apresentar as coisas como elas não são”. “O que houve ontem na Venezuela”, segundo ele, “é a vitória eleitoral, momentânea, da contrarrevolução. Não considero que seja a derrota política do chavismo, como também não entendo que o que se passa no Brasil seja o enterro do que foi feito nos últimos 12 ou 13 anos no país”.

Em sua avaliação, a derrota na Argentina e o aprofundamento da crise política brasileira configuram uma nova realidade, abrindo uma nova etapa na nossa luta, que precisa ser “vivida, esgotada e vencida”. “Se esse processo de contra-ofensiva não for combatido e liquidado, viveremos tempos de trevas no continente, com o retorno da submissão de nossos países ao imperialismo estrangeiro e a criminalização dos movimentos sociais”.

Os caminhos para a esquerda latino-americana, na visão de José Reinaldo, passam pela necessidade latente de rompimento com as classes dominantes. “Se a força dessas classes permanece incólume, como tem sido, promoveremos avanços sem alterar a correlação de forças”, adverte. “Os reveses que sofremos não são definitivos. Para enfrentá-los, só com resistência e luta”.

Ciclo de Debates Que Brasil é Este?

O Ciclo de Debates Que Brasil é este? realizará, até outubro de 2016, debates mensais para refletir sobre as turbulências pelas quais atravessa o país nos campos econômico, político e social. A primeira edição ocorreu em novembro, com Luiz Gonzaga Belluzzo, Samuel Pinheiro Guimarães e Renildo de Souza – saiba como foi ou assista na íntegra. Acesse o hotsite do Ciclo e fique por dentro da programação, dos convidados e dos conteúdos postados:www.quebrasileeste.com.br.

 

No site do Centro de Estudos Barão de Itararé

 

-->
COLABORA CON KAOS