Brasil-Consciência Negra. “Black Lives Matter” Espancado e Assassinado

Porto Alegre(RS)-Urgente : João Alberto Silveira Freitas, não resistiu aos socos e pontapés. Ele morreu poucas horas antes do Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra.

247

João Alberto Silveira Freitas-assassinado.

Negro espancado por dois seguranças do Carrefour no norte de Porto Alegre na noite desta quinta-feira (19), poucas horas antes do Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra. Não resistiu às agressões.

«A polícia de Porto Alegre (RS) investiga a morte de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, após espancamento por dois seguranças de uma loja do do supermercado Carrefour localizada no bairro Passo d´Areia, na zona norte da cidade. Vídeos que mostram o espancamento no estacionamento da loja e a tentativa de socorristas de salvarem o homem, conhecido como Beto, circulam nas redes sociais desde a noite desta quinta-feira  e provocam a mobilização de ativistas contra o racismo», aponta reportagem de Cristina Camargo, na Folha de S. Paulo.

Os dois assassinos estão presos. Um deles é policial militar e foi levado para um presídio militar. O outro é segurança da loja e está em um prédio da Polícia Civil. A investigação trata o crime como homicídio qualificado.

A Brigada Militar gaúcha informou que o espancamento começou após um desentendimento entre a vítima e uma funcionária do supermercado.

Freitas foi levado da área de caixas para a entrada da loja espancado no estacionamento do supermercado, por dois seguranças.

O vídeo da agressão circula nas redes sociais desde o final da noite. Nas imagens, é possível ver os dois seguranças espancando Frietas, que já está no chão. Uma mulher que estava próxima deles parece filmar a ação dos agressores.

Em seguida, já com sangue espalhando pelo chão, outras pessoas aparecem em volta do homem agredido, enquanto os dois agressores continuam sobre ele, já desfalecido.

Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) tentou reanimar Freitas depois do espacamento, mas ele morreu no local.

Movimentos negros de Porto Alegre convocaram protesto para final da tarde diante do Carrefour do Passo d’Areia contra o assassinato de João Alberto Silveira Freitas.

Beto morreu na véspera do Dia da Consciência Negra, comemorado nesta sexta-feira (20) em referência à morte de Zumbi e Dandara, líderes do Quilombo dos Palmares, localizado entre Alagoas e Pernambuco. «Ainda nas primeiras horas dessa data, estamos falando sobre mais um episódio brutal de racismo e de novo no Carrefour. De 20 de novembro a 20 de novembro e todos os dias, a estrutura racista deste país nos trás brutalidade como regra», reagiu Raull Santiago, ativista e fundador da Agência Brecha.

O Carrefour soltou uma nota na qual afirma que «adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos neste ato criminoso. Também romperá o contrato com a empresa que responde pelos seguranças que cometeram a agressão. O funcionário que estava no comando da loja no momento do incidente será desligado. Em respeito à vítima, a loja será fechada. Entraremos em contato com a família do senhor João Alberto para dar o suporte necessário».

.

https://www.brasil247.com/brasil/homem-negro-e-espancado-ate-a-morte-por-dois-segurancas-do-carrefour-no-dia-da-consciencia-negra


Carrefour- descaso e violência

Sete vezes em que o Carrefour atuou com descaso e violência

Saiba de sete situações em que o Carrefour agiu com violência e descaso no Brasil. Casos de racismo, um cachorro envenenado e espancado, demissão de trabalhadores que reivindicavam melhores condições de trabalho são alguns exemplos.

247 – Brasil de Fato

O espancamento até a morte de  João Alberto Silveira Freitas, negro, na noite desta quinta-feira (19) por dois seguranças do Carrefour no norte de Porto Alegre chocou o Brasil (leia aqui e veja os vídeos). Mas esta, entretanto, não é a primeira vez que um caso como esses ocorre dentro do Carrefour e causa indignação.

Saiba de outras seis situações em que o Carrefour atuou com descaso e violência:

Guarda-sóis e caixas para esconder o corpo de um morto

Um promotor de vendas do Carrefour morreu enquanto trabalhava em uma unidade do grupo, em Recife, no dia 14 de agosto. O corpo de Moisés Santos, de 53 anos, foi coberto com guarda-sóis e cercado por caixas, para que a loja seguisse em funcionamento e permaneceu no local entre 8h e 12h, até ser retirado pelo Instituto Médico Legal (IML).

Em nota, o Carrefour afirma que pediu desculpas “em relação à forma inadequada que tratou o triste e inesperado falecimento do Sr. Moisés Santos, vítima de um ataque cardíaco, na loja de Recife (PE)».

Caso Januário Alves de Santana

Em 2009, seguranças da rede de hipermercados agrediram o vigia e técnico em eletrônica Januário Alves de Santana, de 39 anos, no estacionamento de uma unidade em Osasco. Ele teria sido confundido com um ladrão e foi acusado de roubar o próprio carro, um EcoSport.

Após o caso, manifestantes protestaram no estacionamento da unidade, onde estenderam uma faixa de 30 metros com a frase: “Onde estão os negros?”. Carros também exibiram protetores de para-brisa com a frase “Carrefour racista”.

Demissão como retaliação

Em dezembro de 2017, trabalhadores do Carrefour que reivindicaram benefício de remuneração por trabalho em feriados foram demitidos da empresa, com a justificativa de corte de gastos. Os funcionários, no entanto, garantiram que os nomes que receberam a demissão estavam envolvidos em movimentos grevistas.

“Na verdade a empresa nunca teve cortes às vésperas do Natal e Ano Novo. Em 12 anos de casa, nunca vi isso acontecer. Como sempre bati minhas metas, portanto, gerava lucros, fica explícito o motivo de retaliação a fim de desestabilizar o movimento, sim”, contou um ex-funcionário ao The Intercept, na época.

Os funcionários que trabalharam durante os feriados de novembro de 2017 receberam apenas R$30 por dia trabalhado, menos da metade do que recebiam antes. Um empregado que recebe R$1.290 por mês, ou R$43 por dia, deveria receber R$86 por feriado, já que a diária era dobrada nesses dias.

Cachorro envenenado e espancado

Em dezembro de 2018, um cão que estava no estacionamento de uma das lojas da empresa, em Osasco, morreu após ser envenenado e espancado por um funcionário.

«Um segurança do Carrefour que matou o cachorro. Ia ter uma visita de supervisores da matriz e o dono do mercado, da filial de Osasco, pediu para o funcionário dar um fim no cachorro. Ele deu chumbinho no meio de mortadela, e agrediu o cachorro», afirmou ao G1 Rafael Leal, da ONG Cão Leal, na ocasião.

A rede de hipermercados também não socorreu o animal. «O cachorro foi resgatado com vida todo ensanguentado por uma pessoa que estava perto e socorreu. Ele foi levado para uma clínica veterinária particular, mas morreu em atendimento.»

Mais um caso de racismo

Em outubro de 2018, funcionários da empresa, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, agrediram Luís Carlos Gomes, porque ele abriu uma lata de cerveja dentro da loja. Surpreendido pelos trabalhadores, o cliente reiterou que pagaria pelo item.

Mesmo assim, ele foi perseguido pelo gerente da unidade e por um segurança e depois encurralado em um banheiro, onde recebeu um mata-leão.

Gomes, que é deficiente físico, teve múltiplas fraturas e, como sequela de uma cirurgia, ficou com uma perna mais curta que a outra. Ele acusou o supermercado de racismo e discriminação e pediu uma indenização de R$ 200 mil.

Na época, o Carrefour disse, em nota, que «a rede repudia veementemente qualquer tipo de violência e reforça que, constantemente, realiza treinamentos e reorienta suas equipes, a partir da prática do respeito que exige dos seus colaboradores e prestadores de serviço”.

Controle de idas ao banheiro

Em maio de 2019, a Justiça do Trabalho de São Paulo concedeu liminar pedida pelo Sindicato dos Comerciários de Osasco e Região contra o Carrefour, que estaria controlando a ida dos empregados ao banheiro.

A juíza Ivana Meller Santana, da 5ª Vara do Trabalho de Osasco, identificou condições consideradas degradantes para os empregados.

De acordo com o Sindicato dos Comerciários, nas sedes de sete cidades (Barueri, Carapicuíba, Embu, Itapevi, Jandira, Osasco e Taboão da Serra), operadores de atendimento e de telemarketing são obrigados a utilizar «filas eletrônicas» para o uso do banheiro.

Além disso, devem manifestar necessidade do uso, registrando o nome no sistema eletrônico de fila e avisar ao supervisor em caso de urgência.

«Este tempo de espera pode acarretar prejuízos à saúde do trabalhador. Isto sem relatar o constrangimento de precisar explicar ao monitor/supervisor as suas necessidades fisiológicas, eventuais problemas intestinais ou estomacais, os relativos ao ciclo feminino», disse a juíza na decisão.

 


Milena Borges Alves

Das compras no supermercado até a cena de um crime. Duas cenas ficaram marcadas na memória de Milena Borges Alves, 40, esposa de João Alberto Silveira Freitas, 40, morto ontem após ser agredido por um segurança do Carrefour e um policial militar temporário em Porto Alegre. Os agressores foram presos.

Em entrevista para a Rádio Gaúcha, ela contou que estava pagando as compras, enquanto o marido foi na frente em direção ao estacionamento, no piso inferior da loja. No caminho, chegou a fazer um sinal para ela, que achou que fosse uma brincadeira.

«Quando eu cheguei lá embaixo ele já estava imobilizado. Eu tentei me aproximar, mas os seguranças me empurraram. Ele disse para mim: ‘Me ajuda, Milena'», contou a esposa.

Em outra entrevista, para o SBT, Milena disse que o marido foi mantido imobilizado mesmo após morrer. «Apesar da idade, [ele] era um gurizão, e aconteceu toda essa fatalidade.»

Como foi

Freitas teria discutido com a caixa do estabelecimento e foi conduzido pelo segurança da loja até o estacionamento, no andar inferior. Um cliente, policial militar temporário, acompanhou o deslocamento, que acabou no espancamento de Freitas. O segurança e o PM temporário foram presos, suspeitos de homicídio doloso.

Durante o percurso, acompanhado por uma funcionária do Carrefour, Freitas teria desferido um soco contra o PM, segundo afirmou a trabalhadora, em depoimento à polícia. «A partir disso começou o tumulto, e os dois agrediram ele na tentativa de contê-lo. Eles (o PM e o segurança) chegaram a subir em cima do corpo dele, colocaram perna no pescoço ou no tórax», disse o delegado plantonista Leandro Bodoia. A cena vem sendo comparada nas redes sociais ao que aconteceu com George Floyd, que morreu sufocado por policiais nos Estados Unidos.

Vídeos que mostram o espancamento e a tentativa de socorristas de salvarem o homem circulam nas redes sociais desde a noite de ontem. As imagens mostram Freitas recebendo de um dos homens vários socos na região do rosto, enquanto o outro tenta segurá-lo. Uma mulher que estava usando proteção facial é vista perto deles, assistindo às agressões. Funcionários do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) chegaram a se deslocar até o local, fizeram massagem cardíaca, mas ele acabou não resistindo.

Freitas era participante de uma torcida organizada de futebol em Porto Alegre, do clube São José, e foi homenageado com posts com mensagens como «vidas negras importam» e a convocação de um protesto: «Amanhã estaremos no Carrefour Passo D’areia o dia todo, não vai ficar assim, queremos justiça, fizeram covardia com 1 irmão, agora segurem o Bonde Da ZONA NORTE!»

BETO ETERNO

Na noite de hoje, Beto foi brutalmente espancado e assassinado por 2 seguranças do Carrefour, há relatos que os seguranças bateram a cabeça dele no chão por diversas vezes.

 

Prisão dos agressores

Em nota, a Brigada Militar informou que prendeu os agressores, inclusive o PM temporário, e que a conduta dele será investigada. Disse ainda que o policial não estava em serviço no momento das agressões.

«Cabe destacar ainda que o PM temporário não estava em serviço policial, uma vez que suas atribuições são restritas, conforme a legislação, à execução de serviços internos, atividades administrativas e videomonitoramento, e, ainda, mediante convênio ou instrumento congênere, guarda externa de estabelecimentos penais e de prédios públicos», diz o comunicado.

«A Brigada Militar, como instituição dedicada à proteção e à segurança de toda a sociedade, reafirma seu compromisso com a defesa dos direitos e garantias fundamentais, e seu total repúdio a quaisquer atos de violência, discriminação e racismo, intoleráveis e incompatíveis com a doutrina, missão e valores que a Instituição pratica e exige de seus profissionais em tempo integral», conclui a nota.

Carrefour rompe contrato com empresa de segurança

Após o caso vir à tona, o Carrefour decidiu romper o contrato com a empresa de segurança e fechará a loja. Em nota, o mercado afirmou que «adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos neste ato criminoso».

«O funcionário que estava no comando da loja no momento do incidente será desligado. Em respeito à vítima, a loja será fechada. Entraremos em contato com a família do senhor João Alberto para dar o suporte necessário», disse a empresa em nota. O Carrefour, ainda em nota, disse «lamentar profundamente o caso» e afirmou que iniciou uma «rigorosa apuração interna».

«Para nós, nenhum tipo de violência e intolerância é admissível, e não aceitamos que situações como estas aconteçam. Estamos profundamente consternados com tudo que aconteceu e acompanharemos os desdobramentos do caso, oferecendo todo suporte para as autoridades locais.»

Foto: João Alberto Silveira Freitas e a esposa, Milena Borges Alves

.

https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2020/11/20/me-ajuda-gritou-a-esposa-homem-morto-por-seguranca-e-pm-em-mercado.htm


 1- https://twitter.com/i/status/1329647611775737857

 2- https://t.co/HR3smaDJVd pic.twitter.com/xUPJ1hkLgp

NOTICIAS ANTICAPITALISTAS