Brasil. Bolsonaro é eleito presidente com projeto de ultradireita

Publicidad

 

Com 55,63% dos votos, Bolsonaro é eleito presidente com projeto de ultradireita

Com 92,08% das urnas apuradas, o candidato da ultradireita, Jair Bolsonaro (PSL), está matematicamente eleito presidente do Brasil. Ele tem 55,63% dos votos válidos, enquanto o candidato do PT, Fernando Haddad, aparece com 44,37%.

Votos brancos até o momento chegam a 4,08%, votos nulos, 7,42%, e abstenções chegam a 21,17%.

Bolsonaro é eleito depois de uma campanha baseada no estímulo ao ódio no país, de fundo misógino, homofóbico e racista, com ataques a todos os avanços sociais dos últimos anos, como o Bolsa Família e as políticas de cotas. Um dos vetores da eleição foi uma campanha de fake news pelas redes sociais considerada sem precedentes na história pela OEA, Organização dos Estados Americanos.

No último domingo, no comício de encerramento de sua campanha, Bolsonaro discursou por telefone a seus apoiadores reunidos na Avenida Paulista.

Foi o mais ameaçados dos discursos de toda a campanha, quando afirmou que os opositores de um eventual governo seu seriam presos ou deveriam buscar o exílio, ameaçando diretamente o outro candidato, Haddad, Lula e o senador Lindbergh Farias; no discurso ele ainda disse:

«Pretalhada, vai tudo vocês para a ponta da praia». A expressão «ponta da praia» é a forma como os militares conheciam, na ditadura, a base militar da Marinha na Restinga de Marambaia, em Pedra de Guaratiba, no Rio de Janeiro. O local foi um dos mais terríveis centros de interrogatório e tortura do regime militar, um verdadeiro centro de extermínio, onde dezenas de opositores foram assassinados, frequentemente sob tortura.

Aguarda-se o primeiro pronunciamento de Bolsonaro como presidente eleito para que ele aponte os primeiros rumos de seu governo.

.

https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/373475/Com-5563-dos-votos-Bolsonaro-é-eleito-presidente-com-projeto-de-ultradireita.htm

 

******

Não podíamos mais flertar com o socialismo

No Facebook

 O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) fez o primeiro discurso após a apuração dos votos por meio de uma live no Facebook, em vez de tradicionalmente pelas câmeras de TV, que estavam disponíveis. Sua primeira fala foi vazia, sem apontar rumo para o projeto de País.

«Não podíamos mais continuar flertando com o socialismo, o comunismo e o extremismo da esquerda», declarou, criticando ter sido, durante a campanha, muitas vezes alvo de «muitas mentiras», passando por «situações até vexatórias».

«Temos tudo pra ser uma grande nação», declarou, acrescentando que fará o Brasil ser bem visto no exterior. Em diversos momentos ele falou sobre «a verdade» que será mostrada ao povo brasileiro, e prometeu governar com «a verdade».

Fala várias vezes sobre «a verdade», que agora todos vão saber «a verdade». «Sabíamos para onde estávamos indo, sabemos agora para onde queremos ir», disse ainda. Bolsonaro afirmou ainda que «missão não se escolhe, se cumpre». «Juntos, vamos resgatar o projeto do nosso Brasil», prometeu.

Pouco depois, Magno Malta fez uma oração de agradecimento com a equipe, transmitida pela TV, e Bolsonaro fez um novo discurso, no qual afirmou que governará com a verdade e assegurou que seu governo «será defensor da Constituição».

Quem é Bolsonaro

Jair Bolsonaro é militar da reserva e deputado federal há 27 anos. Antes de se candidatar à presidência da República, estava em seu sétimo mandato na Câmara dos Deputados, eleito todas as vezes pelo Partido Progressista (PP). Apenas em 2018, integrou-se ao PSL.

Nascido em 21 de março de 1955 na cidade de Campinas, interior de São Paulo, Bolsonaro é filho de Perci Geraldo Bolsonaro e de Olinda Bonturi, descendentes de famílias italianas. Foi aluno da Escola Preparatória de Cadetes do Exército e formou-se na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende (RJ), em 1977. Seis anos depois, formou-se no curso de Educação Física do Exército. Também cursou a Brigada de Paraquedismo do Rio de Janeiro.

O político da extrema direita casou-se três vezes. Entre 1993 a 2001, com a vereadora Rogéria Nantes Nunes, com quem teve três filhos: Eduardo Bolsonaro, reeleito deputado federal no último pleito, Flávio Bolsonaro, eleito senador, e Carlos Bolsonaro, vereador no Rio de Janeiro. Após se separar, casou com Ana Cristina Vale, com quem teve outro filho, Renan Bolsonaro, de 20 anos. Em 2013, casou-se com Michelle de Paula Firmo Reinaldo, com quem tem uma filha.

Ao longo de seus sete mandatos no Congresso, teve apenas dois projetos aprovados: uma proposta que estendia o benefício de isenção do Imposto sobre Produto Industrializado (IPI) para bens de informática e um projeto de lei que autorizava o uso da chamada “pílula do câncer” — barrado posteriormente pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O presidente eleito tem o General Hamilton Mourão como vice.

Ao declarar o seu voto no processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o então deputado federal fez uma homenagem ao coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, chamando-o de “o pavor de Dilma Rousseff” — por ter comandado as sessões de tortura contra a ex-presidenta, presa durante a ditadura militar.

Desde o início das eleições, Bolsonaro foi alvo da campanha #EleNão, que mobilizou milhões de pessoas pelo país. O militar reformado é conhecido por sua posições polêmicas, como por exemplo, a defesa dos militares, do porte de arma, além de declarações preconceituosas e discriminatórias contra negros, mulheres e homossexuais.

Na reta final do segundo turno, reportagem investigativa publicada pela Folha de S. Paulo denunciou que empresas compraram pacotes de disparos em massa de mensagens contra o Partido dos Trabalhadores (PT) no WhatsApp, beneficiando diretamente Bolsonaro.

O PT entrou com uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral no TSE, para que se investigue a chapa de Bolsonaro por abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação. Se a ação chegar às suas consequências finais, o mandato de Bolsonaro poderá ser cassado.

 .

https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/373484/Bolsonaro-fala-no-Facebook-não-podíamos-mais-flertar-com-o-socialismo.htm

 

 

 

También podría gustarte

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More