Brasil. Anulação do Decreto da Amazônia é Farsa

O ‘novo decreto’ sobre extinção da Reserva Nacional de Cobre não muda rigorosamente nada em relação ao anterior. É marketing. Manipulação», escreve Alceu Castilho; diretor da WWF também avaliou que o novo decreto é inócuo.

 

Atenção: Temer e Sarney Filho fazem jogo de cena. Não revogaram coisa nenhuma na Amazônia. O «novo decreto» sobre extinção da Reserva Nacional de Cobre não muda rigorosamente nada em relação ao anterior. É marketing. Manipulação.

E toda a imprensa – distraída que é – banca essa farsa de modo acrítico, sem ler os dois projetos. Ou ouvir as fontes necessárias.

Basicamente é o seguinte: o governo está dizendo que «agora» o decreto preserva as Terras Indígenas (TI) e Unidades de Conservação (UC). Ocorre que esse item… já existia no decreto anulado. Sim, já existia!

É que a questão não é essa. A história da Amazônia mostra que a criação de infraestrutura no entorno – rodovias, usinas, mineração – traz um efeito cascata. As UCs e TIs serão inapelavelmente impactadas – mais do que já são. E é disso que organizações como o WWF já estavam falando. Há meses.

O ministro do Meio Ambiente diz que o novo decreto traz um «vigor muito maior» na garantia das unidades de conservação. Vigor marqueteiro, podemos completar.

Mudança para a Gisele Bündchen ver. Para o Luciano Huck capitalizar. E para os fãs da Anitta poderem dançar com a ilusão de que venceram, ao som das motosserras que não terão deixado de agir.

Em seu Facebook

NOTICIAS ANTICAPITALISTAS