Brasil. Ainda não…

Publicidad

 

Cora Coralina * por osmar gomes

Ainda não

Ainda não…
É a espera.
Afirmação
do tempo que vai chegar
no tempo que está passando.

II

Ainda não…
É a promessa.
Certeza
do tempo de querer
no tempo que vai chegando.
A mulher é a terra —
terra de semear.

III

Ainda não…
O tempo disse dormindo:
Por que esperar?
Plantar, colher
no amanhecer.
Não retardar o instante
maravilhoso da colheita.

IV

Veio o semeador,
semearam juntos
e colheram
o encantamento do fruto.
Lamentaram juntos
Retardamos tanto… no tempo.

(Cora Coralina)

 

* Cora Coralina (1889-1985) poetisa e contista brasileira. Publicou seu primeiro livro quando tinha 75 anos e tornou-se uma das vozes femininas mais relevantes da literatura nacional.

 Ana Lins dos Guimarães Peixoto conhecida como Cora Coralina, nasceu na cidade de Goiás, no Estado de Goiás, no dia 20 de agosto de 1889. Filha de Francisco de Paula Lins dos Guimarães Peixoto, desembargador, nomeado por Dom Pedro II, e de Jacinta Luísa do Couto Brandão. Ana Lins dos Guimarães Peixoto conhecida como Cora Coralina, nasceu na cidade de Goiás, no Estado de Goiás, no dia 20 de agosto de 1889.

Obras de Cora Coralina

  • Poemas dos Becos de Goiás e Estórias Mais, poesia, 1965
  • Meu Livro de Cordel, poesia, 1976
  • Vintém de Cobre: Meias Confissões de Aninha, poesia, 1983
  • Estórias da Casa Velha da Ponte, contos, 1985
  • Os Meninos Verdes, infantil, 1980
  • Tesouro da Casa Velha, poesia, 1996 (obra póstuma)
  • A Moeda de Ouro Que um Pato Engoliu, infantil, 1999 (obra póstuma)
  • Vila Boa de Goiás, poesia, 2001 (obra póstuma)
  • O Pato Azul-Pombinho, infantil, 2001 (obra póstuma)

 

Fotoarte do colaborador: “Rebela-te!”

También podría gustarte

Los comentarios están cerrados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More