Publicado en: 15 octubre, 2015

Brasil: A nova Dilma. É obra de Yansã!

Por Conversa Afiada

Você não leva fé na teogonia baiana, amigo navegante?Pois, no Palácio do Planalto há quem tenha passado a acreditar. Sob a inspiração de Yansã –, o ambiente no Palácio e no Congresso já é diferente.

Já que o General Assis Oliva foi embora…

O presidente Lula se diverte com suas artimanhas.

No evento da CUT, depois que a Presidenta fez seu melhor discurso, Lula propôs algumas “dúvidas”.

Com quem Dilma conversou para fazer discurso tão bom?

Por que Dilma “assumiu” a Presidência e decidiu seguir o mesmo conselho que ele deu ao Obama: governe pra quem te elegeu!

Lula sabe a resposta.

O ansioso blogueiro também.

Ela conversou com Yansã, a orixá de hoje.

O dia que sucede à decisão do Supremo que restabeleceu o quórum de 2/3,  mandou o Aecím lamber as feridas e se preparar para perder em 2018.

Você não leva fé na teogonia baiana, amigo navegante?

Pois, no Palácio do Planalto há quem tenha passado a acreditar.

Foi o que o ansioso blogueiro ouviu.

E segue assim o raciocínio.

Jaques Wagner tem a intuição, o “feeling” do Lula, diz a fonte.

Ele não explica por que, mas manda seguir por aqui e não por ali, não significa que esteja errado, mas que dá para ficar melhor…

Melhorar o que?

A consolidação da base.

Os moralistas sem moral não tem 2/3 para derrubar a Dilma, nem para impedir que o ajuste continue a ser aprovado.

Nessa terça-feira, enquanto o STF enterrava os taradinhos que vão apunhalar o Cunha e o Temer, a Câmara votava capítulo central do ajuste da Dilma.

A Dilma continua a governar.

Sob a inspiração de Yansã – segundo essa narrativa com traços de dendê – , o ambiente no Palácio e no Congresso, hoje, já é diferente.

O Supremo desfez o nó que sustentava o acordo entre o PSDB e o Cunha: vamos derrubar a Dilma por maioria simples, na calada da noite, e os tucanos seguram a barra do Cunha.

Não deu.

Presidente da República – como aconteceu com o Collor – só cai com 2/3 da Câmara e do Senado.

E o acordo que era frágil virou a areia de Itapoã.

Era essa a estratégia dos ataulphos, dos gilberto freire com “i”, daquele dos chapéus: os que traçavam o caminho das pedras para os moralistas sem moral.

Como se sabe, o caminho para inferno é cheio das pedras que o PiG lança.

Os colonistas pigais tem essa virtude: não ganham eleição.

Como o Maluf e o Cerra: não ganham!

E não vão ganhar em 2018.

Porque ganha o Lula com suas artimanhas, ou o Wagner ou o Ciro.

E no dia dois de fevereiro de 2019 vai ter festa no mar!

Saravá!

Em tempo: já que o General Assis Oliva deixou o Palácio, bem que o zé da Justiça podia pedir para sair. Pedir a Embaixada em Lisboa, por exemplo…

Paulo Henrique Amorim

 

-->
COLABORA CON KAOS