Brasil. A esperança de mudança

Publicidad

Pedro Estevam Serrano

Marielle não era ex de Marcinho VP.

Não teve sua campanha bancada por organização criminosa, como atesta, inclusive, o Procurador competente para investigar essas coisas.

Não teve filho aos 16 anos.

Era sim negra.

Foi sim eleita pela população negra e pobre dos morros cariocas, o único tipo de gente, segundo um Nazareno que viveu a cerca de 2000 anos atrás, que realmente pode ser chamada de “gente de bem” (lembra um papo de uma agulha e de um camelo?).

Não era um cadáver qualquer, primeiro porque nenhum cadáver de mulher negra e jovem é “qualquer” , segundo porque foi morta por razão política, a vitima é um país, uma esperança de vida mais livre e mais igual para milhões de pessoas.

A vítima é a esperança de mudança, numa humanidade que a imensa maioria de seus indivíduos, na história da vida humana na Terra, bilhões e bilhões de seres, só conheceu a existência como carência, dor, sofrimento , sacrifício, exploração e violência.

Quem anda falando coisas que buscam desqualificar Marielle (que já não esta ai para se defender) e os que ela representava, não é gente divergindo, é gente que encarna o que Arendt chamava de mal extremo, gente a ser combatida, sempre e por todos os tempos.

Eles falam de jeito viril e simplificador das complexidades da vida, tem um ar de empáfia que caracteriza os que se acham superiores moralmente a nós, embora afirmem e gostem das maiores imoralidades que a história já conheceu . Tem a arrogância viril dos que se sabem protegidos das desgraças do diferente , mas que esconde sua imensa covardia.

Herdeiros dos Senhores da Guerra, dos Inquisidores feminicidas, dos Senhores de Escravos, dos Governantes despóticos, dos que a mitologia cristã chamava Sabnock ou Saleos , de Jurará-açu e Pirarucu da mitologia tupi-guarani e Loki da mitologia germânica, dos genocidas dos descobrimentos, de todos os genocidas , dos que que a ciência chama de sociopatas, dos nazi-fascistas, dos militares ditadores ,dos torturadores de todos os tempos, de todo o mal extremo que sempre habitou o humano.

Gente de cargos importantes, protegidos de qualquer mal, com títulos, pompas, as vezes togas, as vezes ternos, as vezes uniformes, punhos de renda e mãos sempre sujas de sangue

  

Fotoarte de AlissonAffonso

También podría gustarte

Los comentarios están cerrados.

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More