Publicado en: 16 Marzo, 2015

Internacional: 132º Aniversário da morte de Karl Marx

Por Saul Padover

Lembrar Karl Marx, não apenas como o criador do socialismo científico, mas também como o grande líder do proletariado internacional.Marx convocou a Primeira Internacional há 151 anos.

“Trabalhadores do mundo uni-vos!”

“Proletariado mundial – uni todos os países!”

Marx foi sepultado no Cemitério de Highgate no dia 17 de Março de 1883, na mesma sepultura da sua esposa, Jenny, falecida 15 meses antes. Karl Marx e sua obra está vivo no seu 132º aniversário da Morte

 

Karl Marx e a Primeira Internacional

(Associação Internacional dos Trabalhadores)

Saul Padover

Quando a Internacional foi formada em Setembro de 1864, Marx era “um jornalista refugiado relativamente obscuro” Saul Padover observa na introdução a um volume de seleccionar das obras escritas por Marx para a Internacional:

” Exilado da sua Alemanha natal, jogado para fora da Bélgica, e expulso da França, Marx encontrou refúgio na capital britânica em 1849. Nos 15 anos antes da fundação da Internacional, Marx ganhava a vida com o jornalismo – salvo da fome por Frederick Engels, que estava no ramo têxtil em Manchester – e passou a maior parte de seu tempo escrevendo, lendo e pesquisando (no Museu Britânico). Após a derrota traumática das revoluções de 1848-49 na Europa, tornou-se por um tempo politicamente inactivo.

“Em Londres, os principais contactos de Marx eram com outros europeus, principalmente Alemães e radicais e refugiados Franceses, com muitos dos quais ele tinha brigas intermitentes e desentendimentos. Enquanto isso ele mostrava profundo interesse na política Britânica, instituições e movimentos – especialmente na história do cartismo, o que não deixava de ter influência sobre o seu próprio pensamento político – ele manteve conversações distantes com activistas Ingleses, incluindo sindicalistas. Com poucas excepções, sendo um deles o líder e editor Charles Ernest Jones cartista, Marx não tinha estreita ligação com radicais ingleses ou trabalhistas, e vice-versa. Sua vida era a de um refugiado continental não assimilado e politicamente isolado. A Internacional veio para mudar tudo isso.

“Ainda não está totalmente claro por que Marx foi convidado para o que acabou por ser um encontro histórico no Salão de St. Martin. Até cerca de uma semana antes da reunião, em 28 de Setembro, ele aparentemente não sabia nada sobre qualquer preparação para isso. Em seguida, ele foi informado sobre isso por Victor Le Lubez, um republicano radical Francês em Londres de 30 anos, que o convidou para vir como um representantes dos trabalhadores Alemães. Marx aceitou e propôs que ele fosse acompanhado por Johann Georg Eccarius, um alfaiate que vivia em Londres, como outro representante Alemão. Como se viu, Marx e Eccarius viriam a ser os dois principais pilares da Internacional desde o seu início até ao seu fim.

“A reunião começou com um grande número de radicais variados. Havia Owenties e cartistas Ingleses, proudhonistas e blanquistas Franceses, nacionalistas Irlandeses, patriotas Poloneses, Mazzinistas Italianos e socialistas Alemães. Foi uma variedade não unida por uma ideologia partilhada ou mesmo por internacionalismo genuíno, mas por uma carga acumulada de queixas clamando por uma saída. Os Ingleses eram contra privilégios especiais, os Franceses contra o bonapartismo, os Irlandeses contra os Ingleses, os Poloneses contra a Rússia [a Polónia foi ocupada pela Rússia em 1795], os italianos contra a Áustria, e os Alemães contra o capitalismo. Não houve interligação necessária ou integrante entre eles – excepto o que Marx mais tarde tentou fornecer á organização que se seguiu à reunião. Sob a presidência de Edward Spencer Beesly, um historiador Inglês positivista e professor da Universidade de Londres, a oratória radical teve rédea livre. O próprio Marx não falou. Ele era, como ele escreveu mais tarde, uma “figura silenciosa na plataforma.”

“A reunião votou, por unanimidade, nomear uma comissão provisória para elaborar um programa e as regras para participação na organização internacional proposta. Marx foi nomeado membro do comité, que se reuniu uma semana mais tarde e concordou numa pequena subcomissão para fazer o trabalho real. Marx tornou-se um membro desta subcomissão crucial. O único outro Alemão era “meu velho amigo, o alfaiate Eccarius”, como Marx escreveu a um amigo comunista, em Solingen. A subcomissão se reuniu na casa de Marx, e tão poderosa era a sua ascendência intelectual e certeza de propósito no endereço – e nas regras – estatutos provisórios da nova organização. Doravante, Marx iria permanecer o espírito predominante e a personalidade indomável que segurava a Associação Internacional durante oito anos difíceis e, muitas vezes tempestuosos, até que foi abalada por dissensões internas amargas.

“Na Internacional, Marx viu uma grande oportunidade histórica e agarrou-a. De fato, é questionável se a organização teria sobrevivido, ou teria algum significado, sem ele. Sua vontade férrea e compromisso apaixonado com a ideia do papel revolucionário do proletariado mundial impediram a Internacional de passar para o mesmo esquecimento de outros sonhos de radicais, confusos na sua filosofia e em contradição nos seus objetivos.”

Trabalhadores do mundo – uni-vos!

Proletariado mundial – uni todos os países!

St. Martin’s Hall, Long Acre, em Londres

Congresso de Fundação da Associação Internacional dos Trabalhadores em 28 de Setembro de 1864

Escribe un comentario

XHTML: Puedes usar los siguientes tags html: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

COLABORA CON KAOS